Para Marcela García e seu filho Benjamín, o surto de coronavírus começou em um momento complicado: o menino de três anos teve que continuar seu tratamento contra o câncer e se submeter a uma cirurgia. Com a pandemia, a situação ficou mais difícil, com a constante ameaça de contágio em um paciente de risco.

Embora o medo e a incerteza tenham começado quando Benjamin foi diagnosticado, a pandemia não foi um obstáculo fácil de superar. Felizmente, porém, o pequeno conseguiu vencer o câncer.


Infobae

Tudo começou quando um hematoma apareceu no olho esquerdo de Benjamin e, com o tempo, ficou maior.

“Depois que ele tinha um ano de idade, notei que seus olhos estavam ficando cada vez mais pretos. Levei-o ao hospital de Mar de Ajo e eles me disseram que era certamente um golpe, mas insisti novamente porque não estava satisfeito com a resposta. Eles fizeram uma tomografia computadorizada e os resultados foram alarmantes: Benja tinha neuroblastoma no olho ”, disse Marcela à Infobae.


Infobae

Assim que souberam que era câncer, o menor começou a ser tratado em Mar del Plata, Argentina, com quimioterapia de risco médio. No entanto, eles notaram que Benjamin tinha um abdômen muito inchado. Graças a uma ressonância magnética completa, eles descobriram que o neuroblastoma no olho era o produto de um neuroblastoma maior no abdômen que se metastatizava no olho.

“Começamos com quimioterapias de alto risco. Depois de dez ciclos, eles nos enviaram a Buenos Aires para operá-lo no Hospital Militar Central del Ojo e, felizmente, conseguiram remover todo o tumor. Ele teve uma excelente melhora na qual nem os médicos puderam acreditar. Apenas o abdômen foi deixado ”, disse a mãe ao portal argentino .


Infobae

Benjamin foi submetido a um transplante de medula óssea que combateria o neuroblastoma do abdome. “Depois que o transplantaram, o pós-operatório ficou muito difícil, já que a nova medula teve dificuldade para se ajustar. Ele ficou internado por três meses até que um dia tudo começou a pegar e fomos dispensados ​​”, disse Marcela.


Infobae

Então veio o COVID-19. “Embora não fôssemos mais hospitalizados, continuamos indo às consultas. Nas semanas em que não tivemos que ir ao hospital, nem saímos para a esquina e pedi à minha irmã que mora em Buenos Aires que ficasse com ele e aproveitasse a oportunidade para fazer compras durante toda a semana, era a única maneira de sobreviver e não expô-lo à rua. Felizmente, em 1º de maio, conseguimos retornar, com a alta e chegamos a tudo em um momento mais leve, hoje o quadro é diferente “, afirmou Garcia.

“Benja está feliz, ela está muito consciente de tudo o que aconteceu. Em casa, ouvimos ele dizer ‘estou feliz, já estou curado’. O que me deixa muito feliz é que ele nunca perdeu o desejo de brincar, algo que geralmente acontece com crianças que passam muito tempo no hospital. Eu sempre tentei fazer com que isso fosse um jogo, mesmo que eu nunca entendesse o que tinha, sabia que melhorar era parte de um plano de voltar para sua casa de praia com seu irmão Joaco e seu pai. Hoje ele sabe que tudo o que aconteceu foi deixado para trás e que sua realidade é diferente “, acrescentou.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS