Estima-se pela National Kidney Foundation que mais de 100.000 pacientes estão na lista de espera de doadores de rim. Outros 3.000 nomes são adicionados à lista todos os anos. Um paciente tem que esperar média 3,6 anos para um transplante viável.

Enquanto aguardam um transplante apenas um em três pacientes que fazem diálise sobrevivem por mais de cinco anos sem transplante. Tudo isso pode mudar à medida que os cientistas desenvolvem o primeiro rim artificial do mundo.

Este bio-híbrido usa células renais vivas, juntamente com uma série de microchips especializados alimentados pelo coração humano para filtrar os resíduos da corrente sanguínea. O rim artificial pode contornar a complicação dos doadores correspondentes e a rejeição de tecidos. Para atender a essa necessidade não atendida, William Fissell, de Vanderbilt, e Shuvo Roy, da Universidade da Califórnia, em São Francisco (UCSF), lançaram o The Kidney Project.

“Podemos alavancar os 60 milhões de anos de pesquisa e desenvolvimento da Mãe Natureza e usar células renais que, felizmente, crescem bem no laboratório e transformadas em biorreatores de células vivas”, explicou Fissell em um artigo recente publicado pela Research News Vanderbilt . Fissel afirma que pode distinguir de maneira confiável entre os resíduos químicos e os nutrientes que precisam ser reabsorvidos pelo organismo.

O rim artificial pode ser inserido no corpo por uma cirurgia comum e tem demonstrado funcionar com eficiência. Este rim possui vários microchips que são controlados pelo coração e remove as toxinas do sangue da mesma maneira que um rim normal.

O rim artificial possui 15 microchips construídos um em cima do outro e eles atuam como filtros. Eles manterão células renais vivas que eventualmente crescerão em torno dos microchips e imitarão um rim real. Atualmente, os engenheiros estão trabalhando e testando todos os detalhes do dispositivo para garantir que ele possa deixar o sangue correr com segurança sem a formação de coágulos ou danificar o rim de qualquer forma.

Esta solução está funcionando até agora e a taxa de rejeição foi zero. Os testes em humanos ainda estão para começar, mas a pesquisa mostra resultados promissores e todos esperam que isso elimine a necessidade de diálise.

Você pode vê-lo no vídeo abaixo:

Texto originalmente publicado no Wonderful Engineering, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS