O Pe. Omar Sánchez Portillo é o diretor de um abrigo para meninos, meninas, adolescentes e idosos localizado em Lurín, Lima (Peru). Através desta instituição, chamada Associação das Bem-aventuranças, este sacerdote tem ajudado muitas crianças e idosos que se aproximam dele depois de serem maltratados e / ou abandonados , dando-lhes um novo lar e uma nova oportunidade de progredir a vida. Um homem que dedicou toda a sua existência terrena a ajudar os que se encontram nas situações mais vulneráveis , mesmo quando faz aniversário.


Padre Omar Sánchez Portillo / Facebook

E é que quando ele estava comemorando o 51º aniversário de seu nascimento, um bebê, o pequeno Ismael, veio até. Bebê de dois meses com síndrome de Down que foi abandonado por sua mãe de 17 anos, uma jovem que consumia álcool de maneira problemática e também tinha esquizofrenia não tratada. Diante disso, o padre Omar Sánchez Portillo não hesitou em providenciar abrigo e acolhida adequada à criança em seu abrigo, levando-o como presente de aniversário , quando era ele quem lhe dava uma nova família.

“Obrigado pelo presente que você me deu Jesus no meu aniversário! Você nunca para de me surpreender, meu Jesus. Bem-vindo Ismael! Trazê-lo de Cusco foi uma aventura e tanto, a primeira de muitas que viveremos juntos. Cromossomo do amor, síndrome de Down ”.– disse o padre Omar Sánchez Portillo , por meio de sua conta no Facebook –


Padre Omar Sánchez Portillo / Facebook

Por meio de sua Associação das Bem-aventuranças, este clérigo peruano acolhe e cuida integralmente de meninos, meninas, adolescentes e idosos portadores de deficiência física ou mental , que o procuraram depois de serem abandonados nas ruas e nos lixões, ou que simplesmente viviam em extrema pobreza. Casa que até hoje abriga 217 pessoas, recebendo 60 pessoas no último ano . Além disso, conta com uma equipe formada por 80 leigos sempre dispostos a ajudar crianças e adultos como Ismael, que foi recebido pelo próprio Padre Omar Sánchez em seu aniversário .

“Ela foi ao hospital para dar à luz. Aparentemente ela teve uma gravidez ruim, deu à luz e o deixou abandonado. O Ministério conhece o nosso trabalho, o perfil dos meninos que recebemos e nos chamou para recebê-lo. Eu mesmo aceitei essa responsabilidade (…) Veio num dia muito especial, no meu aniversário (5 de maio), como um detalhe especial de Deus na minha vida sacerdotal, como fecundidade, como pai espiritual, como ser humano. É um detalhe muito particular de Deus ”.- disse o clérigo peruano ao ACI Prensa –

98% das pessoas que moram em abrigos têm alguma deficiência ou doença psiquiátrica ou física . Há crianças com deficiência visual, outras com multideficiências (que são cegas, surdas e mudas ao mesmo tempo), também crianças com síndrome de Down ou autismo , bem como várias crianças, adolescentes e adultos que aí chegaram depois de terem passado por tempos tempestuosos.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS