Segundo a Organização Mundial da Saúde, não existe transmissão aérea do vírus, mas apenas se houver contato com gotículas de saliva de uma pessoa infectada.

Estudo de transmissão

A OMS, confirmou através de um estudo que analisa as formas de transmissão do coronavírus, que o vírus é transmitido apenas pelas gotículas respiratórias que uma pessoa infectada projeta quando espirra ou tosse. Ou seja, na prática, não existe evidência de transmissão pelo ar.

É necessário dizer, segundo a OMS, que as máscaras não são estritamente necessárias para que sai de casa por um momento (cachorro, lixo…), acima de tudo, recomenda-se deixar os filtros para o pessoal de saúde e para aqueles que trabalham em estreito contato com o público doente.

As infecções respiratórias, explicam os especialistas no documento, podem ser transmitidas através de gotículas de tamanhos diferentes: quando as partículas têm um diâmetro maior que 5-10 μm, são chamadas ” gotículas respiratórias “; quando têm um diâmetro inferior a 5 μm, são ” núcleos de gotículas “.

Transmissão através de gotículas

Os dados atuais, mostram que o vírus Covid-19 é transmitido principalmente entre pessoas através de gotículas respiratória. Porém nenhuma transmissão aéra não foi relatada em uma análise de 75.465 casos Covid-19 na China .

A transmissão de gotículas ocorre quando uma pessoa está em contato próximo (dentro de 1 metro) com alguém que apresenta sintomas respiratórios (por exemplo, tosse ou espirro) e, portanto, corre o risco de apresentar membranas mucosas (boca e nariz) ou conjuntiva (olhos). ) expostos a gotículas respiratórias potencialmente infecciosas. A transmissão também pode ocorrer através de fomitos (falamos de fomites quando a fonte de contágio é o contato com material contaminado, por exemplo, agulhas infectadas, estetoscópio ou termômetro, roupas ou toalhas que, quando passam do paciente para a pessoa saudável, produz a infecção) no ambiente ao redor da pessoa infectada.

Portanto, diz a OMS, a transmissão do vírus Covid-19 pode ocorrer através do contato direto com pessoas infectadas e contato indireto com superfícies no ambiente imediato ou com objetos usados ​​na pessoa infectada.

A transmissão aérea é diferente da transmissão de gotículas, pois se refere à presença de micróbios dentro dos núcleos das gotículas, que geralmente são consideradas partículas com um diâmetro <5μm, podem permanecer no ar por longos períodos de tempo e serem transmitidos a outros. para distâncias maiores que 1 m “, explicam.

Por que então alguns estudos falam de uma transmissão pelo ar?

A resposta é dada pela própria OMS. Até o momento, algumas publicações científicas realmente forneceram evidências iniciais de que o coronavírus pode ser detectado no ar e, portanto, algumas agências de notícias sugeriram que houve uma transmissão aérea. Dizem que esses resultados iniciais devem ser cuidadosamente interpretados e, apesar de serem estudos ainda não publicados e realizados em ambientes de laboratório.

É o caso de uma publicação recente no New England Journal of Medicine, por exemplo, avaliando a persistência do vírus no ar. Neste estudo experimental, os aerossóis foram gerados usando um nebulizador de três jatos Collison e colocados sob condições controladas de laboratório.

” Esta é uma máquina de alta potência que não reflete as condições normais da tosse humana “.

Além disso, a descoberta do vírus Covid-19 em partículas de aerossol por até 3 horas não reflete um cenário clínico no qual os procedimentos de geração de aerossol são realizados, isto é, este foi um procedimento de geração de aerossol induzido experimentalmente.

No contexto do Covid-19, a OMS reitera que a transmissão aérea só pode ser possível em circunstâncias e contextos específicos nos quais procedimentos ou tratamentos de suporte que geram aerossóis são realizados : ou seja, intubação endotraqueal, broncoscopia, aspiração aberta, administração de tratamento nebulizado , ventilação manual antes da intubação, desconexão do paciente do ventilador, ventilação sob pressão positiva não invasiva, traqueostomia e ressuscitação cardiopulmonar. Em suma, nada que diga respeito a quem não trabalha no ambiente da saúde. É por esse motivo que a OMS recomenda o uso de máscaras certificadas apenas para aqueles que estão em contato próximo com os infectados.

AQUI o estudo completo da Organização Mundial da Saúde.

Fonte: Saber e Saúde

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS