Essa é uma crítica-indicação-reflexão, podemos nomear assim? Só sei que O Livro de Henry é um filme que foi merecido do meu tempo, e tenho certeza (arrisco de longe) que merece um tempinho seu.

Começando com uma abordagem diferente, eu te pergunto: “O que você faria se soubesse que alguém indefeso está sendo machucado? Encontraria um meio de ajudar ou melhor não meter a colher?”

De fotografia limpa e ambientação aconchegante, a trama vai mesclar suspense e drama de uma forma que você nunca viu, ao acompanhar a vida da família Carpenter (Susan e seus dois filhos, Henry e Peter) a história vai tomar um rumo diferente, quando Henry descobre que sua vizinha está passando por uma situação complicada com o padrasto, sim, isso mesmo que você imaginou, forte né?

Leia mais: Impressora portátil 3D faz pele humana: fim dos enxertos?

Então, o garoto de 11 anos, arquiteta um plano para ajudar a garota e denunciar o padrasto, que por acaso, é o condecorado comissário da polícia, escapando pelas brechas na lei. Quando a mãe de Henry descobre sobre o plano, ela também se mobiliza a deixar a apatia de lado e talvez optar pela violência. E você, o que faria?

Trailer

Esse longa não é bonitinho e muito menos água com açúcar, a temática é pesada e vai abordar a luta entre violência e apatia, ótimo questionamento para a nossa época e gatilho sobre nossos valores morais.

E o elenco? O elenco é maravilhoso! Um trabalho lindo e emocionante protagonizado por Jaeden Lieberher, astro de IT – A Coisa; Jacob Tremblay, fofura de Extraordinário e O Quarto de Jack; contracenando com a talentosíssima estrela da série Gypsy, Naomi Watts. Um filme é pouco para tanto talento!

Sendo assim, te convido a conhecer: O Livro de Henry. E não esqueça do lencinho de papel!

Via : Nerdzoom

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS