Os médicos viram Kenny Cridge nascer e não lhe deram mais de dez anos de vida. Hoje, aos 80 anos, ele continua a surpreender o mundo inteiro com sua força e simpatia.

Quando Kenny Cridge nasceu em 1939, os médicos acreditavam que ele não havia sobrevivido ao nascimento. Sua irmã gêmea, Dorothy, levou todos os cuidados médicos e atenção. No entanto, o recém-nascido não desistiu e chorou alto para ser notado.

Naquele momento, a Síndrome de Down não era tratada corretamente e a expectativa de vida das pessoas que sofriam era muito baixa . A mãe de Kenny reagiu com tristeza quando os especialistas disseram que ele não viveria além de 12 anos.

Mas Kenny, que completou 80 anos este ano e é considerado o homem mais velho com Síndrome de Down no mundo desde 2008, voltou a mostrar força aos médicos.

A vida de Kenny não foi fácil. Embora as pessoas com Síndrome de Down sejam tratadas com dignidade, respeito e empatia no momento, seus pais tiveram que lutar contra previsões, preconceitos e discriminação ao longo da vida de Kenny.

Ainda assim, Cridge teve uma vida feliz e cheia de amor . Qualquer um que ousasse impor seus preconceitos foi rapidamente impactado por sua bondade, alegria e bom humor , qualidades herdadas de seus pais altruístas e que ele mantém em perfeitas condições até hoje.

Quem afirma isso é Ann Nicholson, gerente da casa de repouso onde Kenny reside desde a morte de sua mãe. “É um prazer estar com ele todos os dias. Ele sorri o dia todo, antes de ir para a cama e mal se levanta.”

Ann diz que Cridge é um exemplo de força e bondade e que ele tem sido apenas um “verdadeiro cavalheiro” e um “encanto” com todas as pessoas que o conhecem.

Kenny sobreviveu ao nascimento contra todas as probabilidades. Ele viveu além dos 12 anos de idade e até viveu mais que sua irmã, sempre com um sorriso no rosto e no coração.

E, vendo seu estado de saúde, bondade infinita e senso de humor, parece que ele continuará a exceder as expectativas que a sociedade tem sobre ele.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS