Por: Revista Saber Viver Mais

Segundo a primeira-ministra Jacinda Ardem, a Nova Zelândia vai suspender todas as restrições do Covid-19, exceto os rigorosos controles nas fronteiras do país. Tudo isso porque a Nova Zelândia zerou os casos ativos de contágio pelo coronavírus.

“Estamos prontos”, disse Ardern em uma entrevista coletiva em Wellington, acrescentando que os neozelandeses “se uniram de maneiras sem precedentes para esmagar o vírus”.

A primeira-ministra, já havia sito notícia no mundo todo e recebeu muitos elogios da Organização Mundial da Saúde pela abordagem do governo ao vírus, com uma abordagem estrita e cautelosa que parece ter valido a pena. Em 25 de março, ela trancou o país por quatro semanas – exigindo que a maioria dos neozelandeses permanecesse em casa a maior parte do tempo – antes de diminuir gradualmente as restrições.

A partir da meia-noite de segunda-feira, Ardern disse que os neozelandeses viveriam em um país “onde a vida parece tão normal quanto possível no tempo de uma pandemia global”. Regras de distanciamento físico e limites de tamanhos de reunião seriam descartados, disse ela, permitindo que qualquer parte da economia reabrisse sem problemas.

Os neozelandeses responderam com júbilo nas mídias sociais.

“Eu sei que é uma segunda-feira e tudo, mas acho que posso estourar a garrafa de espumante hoje à noite e levar um copo para todas as pessoas deste belo país. ”, disse James Shaw, ministro das mudanças climáticas, usando uma frase maori que significa ‘bom trabalho, Nova Zelândia ‘.

“Além disso, lave as mãos …”, acrescentou.

Outros esperavam novas liberdades sem restrições a partir da meia-noite da segunda-feira: buffets de café da manhã, sentados um ao lado do outro em transporte público e com permissão para “tocar meu rosto”

Alguns eram mais cautelosos. “Apesar de zero casos ativos, estou empregando o princípio da precaução e nunca voltando à academia , por causa do corona”, twittou um usuário.

A Nova Zelândia havia relatado pouco mais de 200 casos confirmados quando o governo fechou o país, e o número total de casos diagnosticados do vírus nunca superou 1.500.

Vinte e duas pessoas morreram de Covid-19 na Nova Zelândia, em contraste com as dezenas de milhares de mortes que a modelagem por cientistas havia previsto se as restrições não fossem impostas.

Os neozelandeses “reduziram massivamente seus movimentos”, disse Ardern; de acordo com dados do Google, as pessoas ficaram em casa mais do que os residentes na Austrália, Grã-Bretanha e Estados Unidos.

“Acho que nossos resultados coletivos falam por nós mesmos”, disse Ardern. “Era para isso que o sacrifício de nossa equipe de cinco milhões trabalhou, para manter um ao outro em segurança” . Ela se refere regularmente aos neozelandeses como uma “equipe de cinco milhões”.

A Nova Zelândia agora faz parte de um pequeno grupo de países que se declararam livres do Covid-19 e é considerada a primeira a fazê-lo entre nações que tiveram mais de 1.000 casos confirmados.

Perguntaram a Ardern qual foi sua reação ao noticiário. “Eu dancei um pouco”, disse ela.

Texto originalmente publicado no The Guardian, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS