Ter que dizer adeus a um membro da família não é algo para o qual estamos preparados. Não há como isso acontecer e nós o suportaremos felizes, a única coisa que podemos encontrar é um pouco de calma e tranquilidade quando sabemos que lhes demos todo o amor e fizemos o que pudemos. Você tem que deixá-los ir em paz.

Algo assim aconteceu com Daniel Hove, um ex-soldado da Força Aérea dos Estados Unidos, que depois de se aposentar, trabalhou como chefe dos bombeiros. Este herói, onde quer que seja visto, teve que se despedir um pouco antes do esperado, quando foi diagnosticado com câncer de pâncreas. O que é particular é a maneira como ele escolheu se despedir, seus últimos dias foram difíceis, mas não solitários, já que ele sempre tinha seu fiel cão Gunner, 11 anos, ao seu lado.

Quando ele foi informado da doença terminal, Gunner decidiu fazer-lhe companhia o tempo todo , eles o colocaram em uma cama de cachorro e ele podia dormir sempre que quisesse com Daniel.

“Eles foram os melhores amigos até o fim. Eles foram a todos os lugares juntos”, disse Heather Nicoletti, filha de Daniel, segundo Kare 11 . Eles ficaram tão próximos que Gunner também contraiu uma doença grave quando Daniel estava doente terminal, aparentemente destinado a sair juntos.

“Quando meu pai estava agitado, o cachorro estava agitado; quando meu pai estava inquieto, o cachorro estava inquieto; meu pai não respondeu, o cachorro não respondeu …”  , foram as palavras de Heather segundo a mesma fonte.

Heather admitiu que estava aliviada por seu pai não ter que se despedir de Gunner e o viu vivo ao lado dele antes de morrer.

“Sabíamos que eles iriam embora juntos. Gunner não poderia viver sem meu pai e escolheu se juntar a ele” disse Heather.

“Eu sempre pensei: o que seria mais traumático para Gunner, se ele o colocasse para dormir para acabar com seu sofrimento, ou se ele tivesse que sofrer a morte do pai. De qualquer maneira, isso iria matá-lo. Nós sabíamos que eles iriam juntos, mas nunca por horas separados. Gunner não poderia ficar sem meu pai. Acho que ele escolheu sair com ele “ , disse Heather.

Uma história que não a classificaria como triste, pois sinto que os dois saíram juntos, calmos, para continuar se acompanhando.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS