Ele mal tem 25 anos e seu ambiente humilde não permitiu que ele fosse educado, mas com sua engenhosidade e comprometimento, um queniano conseguiu fornecer eletricidade para centenas de casas gerando energia hidrelétrica a partir de um rio que atravessa sua remota vila em Quênia central. .

Foi o dínamo de uma bicicleta que chamou a atenção de John Magiro, levando-o a acreditar que com um sistema semelhante ele conseguiria eletricidade com a força da água de Ireke Falls, por isso desmontou os alternadores do carro e até o rádio. Da mãe dela procurando as peças de que precisava para projetar uma mini hidro.

Magiro caminha pelas altas montanhas do vilarejo de Ireke, no condado de Muranga, usando seu vestido roxo, capacete de segurança e uma corda resistente em volta do pescoço, sempre pronto para atender o chamado de qualquer vizinho porque está determinado a “transformar a comunidade”.

Desde 2013, seu projeto percorreu 2 quilômetros de sua aldeia e iluminou cerca de 300 casas que antes usavam querosene, baterias e diesel.

Quando teve sucesso, o Fundo Fiduciário para o Meio Ambiente (Netfund) e a organização ambientalista World Wildlife Fund (WWF) se interessaram por seu respeito ao meio ambiente, apoiando o jovem queniano na expansão de seu projeto para que ele pudesse se beneficiar mais pessoas.

Magiro então construiu uma barreira no rio Congo com toras e tábuas para controlar a força da água, e agora dois modestos canos fluem para uma pequena cabana de concreto e folha que abriga dois alternadores com os quais ele atinge uma força de 75 quilowatts, embora Se espera atingir 1.110 kW.

Os cabos são montados em um fino poste de madeira, no qual Geoffrey, uma das quatro pessoas que Magiro conseguiu contratar, trabalha, empoleirado em duas estacas de ferro enquanto supervisiona a conexão.

Para os moradores de Mihuti, Magiro é quase um herói. “Ele nos salvou das trevas para nos trazer luz (eletricidade). Agradeço muito o esforço deles, nossa vida melhorou muito ”, diz Shem Chegue, uma das pessoas que se beneficia com o projeto.

Para Chegue, não é só uma questão de ter ou não luz elétrica, mas agora podem assistir televisão, carregar o celular ou cozinhar. “Também nos fez crescer mentalmente, porque agora, por exemplo, podemos ver a newsletter”.

Embora a energia chegue em uma pequena forma para essas aldeias da empresa pública “Kenya Power”, a conta de 500 xelins quenianos por mês (4,3 euros) não é acessível para pessoas que sobrevivem com menos de um dólar por dia. Com a solução de Magiro, os moradores conseguem eletricidade por 200 xelins.

“No momento não tenho lucro”, diz Magiro, que investe o dinheiro ganho para aprimorar seu projeto.

Ele quer estender os 2 km de assentamento informal que já ligou para uma área de 30 km e oferecer energia elétrica para mais 280 pessoas.

Para isso, Magiro estima precisar de 8 milhões de xelins, desafio para o qual, segundo ele, não recebe ajuda do governo queniano.

“Se tivermos eletricidade suficiente, tudo é possível”, entusiasma-se.

O jovem queniano adoraria estudar engenharia na universidade para obter mais conhecimento e continuar transformando as comunidades no Quênia.

Texto originalmente publicado no Nation, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS