Por: Revista Saber Viver Mais

Durante as longas sessões de hemodiálise era possível ver a jovem Amanda Vitória de 21 anos, portadora de uma doença renal crônica, estudando intensamente para o vestibular.

Amanda sofre de granulomatose de Wegener, mas isso não a impediu de estudar por três anos afinco para ingressar em uma vaga no curso de Medicina.

Aprovada!

Mas nessa semana a alegria ficou completa ao ver o seu nome na lista de aprovados da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). “Eu decidi que seria médica quando comecei o tratamento de saúde e, sem dúvida, ver meu nome ali foi a maior alegria da minha vida”, conta.

Ela vem de família humilde, o pai é entregador de jornal e ela ainda tem mais 4 irmãos. Moradora de Lomba do Pinheiro, periféria de Porto Alegre, ela é a primeira da família a entrar em uma universidade. “Meus irmãos não puderam estudar porque tinha de trabalhar, espero que possa ser uma inspiração pra eles, minha irmã já está fazendo cursinho.”

Bolsa integral

Ela conseguiu uma bolsa integral no primeiro ano de cursinho e nos outros dois anos consecutivos obteve descontos na mensalidade. Porém o que mais dificultou para Amanda não foi a questão financeira, era ter que lutar contra a doença. Durante as sessões de hemodiálise, a jovem levava livros e apostilas para revisar a matéria e fazer exercícios.

Amanda conta que muitas vezes duante as aulas ou no tratamento, chegou a passar mal, porém sempre respirava fundo e seguia em frente.

Hoje após essa vitória, ela faz questão de agradecer ao pai pelo esforço e a toda a equipe médica que a acompanha, com eles ela faz questão de compartilhar a conquista.

Com informações:R7

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS