A situação global do coronavírus é claramente preocupante, o que levou a medidas diferentes e drásticas para acabar com essa pandemia. As estatísticas explicam isso facilmente, com quase 339.600 pessoas infectadas até o momento e mais de 15.200 vítimas fatais do COVID-19 . Os governos já estão implementando quarentenas, enquanto no nível do cidadão, um espírito de responsabilidade e solidariedade com um e outro está sendo promovido.

Como na Espanha, o país até o momento é o terceiro mais afetado pelo COVID-19, com quase 33.1000 casos de infecções e quase 2.200 mortes como resultado dessa doença que surgiu na China, na cidade de Wuhan. O governo do país, que entre as medidas adotadas, é o da quarentena geral obrigatória e o fechamento recente de todas as fronteiras por 30 dias. Além de enviar recursos aos municípios para distribuir alimentos e bens essenciais em casa.

Isso aumentou a proibição de cortar água, eletricidade ou gás, para setores vulneráveis durante esta crise de saúde. E sem esquecer um plano nacional de fabricação de material sanitário. Porém antes disso, uma senhora de 84 anos que mora em Madri, já estava fazendo sua parte.

Margarita Gil Baro, uma idosa criou os sete filhos, com o seu trabalho em uma máquina de costura. Essa atividade que ela realiza desde os dez anos de idade e através dele conheceu seu marido, Antonio , que morreu quinze anos atrás.

Ela passou a costurar para vários estilistas de renome , por exemplo, uma das primeiras costureiras de marcas conhecidas como El Corte Inglés , no caso de roupas de bebê. E agora a situação em seu país o preocupa e aflige, então ela começou a fazer o que sabia melhor.

Ela própria sabe que pertence ao grupo de risco e que há muitas pessoas que estão entre a vida e morte no seu pais, diante da situação ela não teve dúvida; com um pano branco de quatro metros de algodão que tinham em casa, começou a fazer máscaras.  Em um sábado de costura conseguiu fazer 50 máscaras. Tudo perfeito. Simétrico, branco, com suas quatro tiras para amarrá-las.

Margarida já acabou com os quatro metros de algodão que tinha em estoque, porém já pediu ao filho que levasse mais 20 metros, como afirmou o filho Domingos. “Hoje ela me disse por telefone que eu posso comprar mais tecido para ela, me pediu 20 metros. O que não sei é como vou comprá-lo e como vou tirá-lo”, disse Domingo .

O filho também sabe que toda vez que vai vê-la, deve fazer de longe, sem se aproximar, mantendo distância e apenas cumprimentando-a pela janela. Enquanto isso, essa senhora que sabe se esforçar e enfrentar dificuldades, continua trabalhando para fornecer máscaras para toda a comunidade.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS