José ‘Pepe’ Mujica, ex-presidente emérito do Uruguai, desistiu de seu salário como senador porque, diz ele: “considerando as ausências que serei forçado a fazer por causa da minha idade e da ameaça do vírus, aceitá-lo seria como roubar o dinheiro para o estado, para o meu país ”. De fato, portanto, Mujica agora receberá apenas o valor correspondente à pensão.

Na atual crise que seu país também está passando, Mujica, o revolucionário pacífico que, mesmo quando estava no poder, sempre permaneceu no campo levando uma vida longe do capitalismo e do consumismo, volta a falar sobre o coronavírus, desta vez no programa La Pizarra e no programa de informações Carve.

Durante os programas, ele anunciou sua decisão de renunciar ao salário do senador porque as consequências econômicas para o país já estão causando uma semi-paralisia e que ele só manterá sua pensão para lidar com problemas de saúde relacionados à idade.

“Eu não vou roubar meu país. Estou aposentado. E sou senador, mas não escolhi o salário de senador. Eu poderia ter optado por receber mais como senador, mas mantive deliberadamente os 70.000 pesos que me pagam pela aposentadoria, porque estou ciente das fraquezas da minha saúde. Eu não critico os outros. Todo mundo tem seu próprio jeito de ser “, ele diz e continua:

“Há incerteza sobre o que acontecerá na economia. Talvez seja (o problema) mais sério a longo prazo ”, disse Mujica, depois refletindo sobre o que está acontecendo na pandemia de coronavírus.

Segundo Mujica, muitos políticos subestimaram o problema, considerando o vírus como uma gripe normal e isso trouxe consequências desastrosas, citando o exemplo do Brasil, onde, como sabemos, continua a não tomar medidas drásticas para lidar com o vírus.

Para ele, essa subestimação ocorreu no gigante sul-americano devido ao “fanatismo” e “total ausência de um senso de autocrítica” do governo brasileiro. Como exemplo oposto, Mujica citou o caso argentino, reconhecendo o trabalho do presidente. Alberto Fernández. Mas o que preocupa o ex-presidente é certamente o que acontecerá quando a emergência terminar.

“A humanidade não estava pronta, precisa preparar o caminho, está sofrendo e não tem muito tempo para se adaptar”, diz ele, porém, lançando o alerta de que a pandemia não deve dar origem a um “neo-nacionalismo industrial” nas áreas desenvolvidas do planeta, porque ao fazê-lo, a disparidade social aumentará.

“Quem pagará o custo de tudo isso? Eles certamente serão os mais fracos. Mas algo certamente mudará. Mas haverá lutas e mobilizações porque ninguém pode ficar pobre. Essas mobilizações começarão de baixo, especialmente daqueles que despencaram após os eventos e desafiarão todos os governos “, explica ele durante o programa.

Texto originalmente publicado no Green Me, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

Fontes: Telam / La Pizarra / El Litoral / Jornada

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS