Mas um ano e a notícia sobre a floresta amazônica continua a mesma… Focos de incêndios em grande proporções e desmatamento. Só que 2020 está sendo um ano completamente fora do normal!

Estamos passando por uma pandemia e o principal orgão do corpo afetado pelo coronavírus é justamente os pulmões.  Por isso que especialistas explicam que uma temporada intensa de incêndios na floresta amazônica pode sobrecarregar os sistemas de saúde e provocar mortes desnecessárias, principalmente pelo coronavírus.

Queimadas e incêndios

Todo anos os incêndios na floresta amazônica destroi milhares de hectares em toda América Latina, como o auge dessas queimadas acontecem justamente nos proximos meses, os especialistas alertam que as partículas que emanam dos incêndios podem exarcerbar em muito as infecções de coronavírus.

“Está comprovado que a exposição crônica a estes pequenos particulados aumenta o risco de doenças respiratórias, doenças cardiovasculares e morte prematura”, disse o ex-presidente do Instituto de Medicina dos Estados Unidos, Harvey Fineberg, a jornalistas em uma coletiva de imprensa virtual.

Manaus

A capital do Amazonas tem mais de 2 milhões de habitantes e está localizada justamente no coração da Amazônia brasileira, e já foi duramente atingida com o vírus, com 79 mil casos confirmados.

A cenário atual de Manaus é melhor, porém em meados de maio, o sistema de saúde chegou a entrar em colapso. Sendo a primeira cidade do Brasil a ficar sem unidades de terapia intensiva disponíveis desde o começo da pandemia.

Por esse motivo o temor de especalistas é totalmente justificável em relação às queimadas na região. O sistema de saúde não pode ficar sobrecarreado novamente.

Com informações:G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS