Nascemos, desenvolvemos, lutamos por nossos objetivos, envelhecemos. A vida costuma parecer um ciclo básico, onde a velhice é o último passo, geralmente o mais triste de todos. Existem fatores que não consideramos antes, ansiedade, medo do futuro, rejeição e solidão.

Essa escultura hiper-realista, feita na Espanha, denuncia a solidão e o isolamento que muitos idosos sofrem.

Está localizado em uma margem do Paseo del Arenal, em Bilbau (Espanha) e é inspirado por Mercedes, uma avó de 89 anos que mora sozinha.

É chamado “A última pessoa que morreu sozinha” e faz parte de uma campanha para demonstrar a realidade que ignoramos.

Seu criador foi o escultor hiper-realista mexicano Rubén Orozco, a estátua foi fisicamente inspirada em Mercedes, como mostram as fotografias.

A idéia é focar nos idosos que acabam sofrendo de isolamento social e abandono. Ninguém fala com eles, eles nem sequer olham para eles, são ignorados e esquecidos. Muitos terminam seus dias naquele estado, tristes e sem companhia.

Segundo relatos do público , existem mais de 29,5 milhões de pessoas com mais de 65 anos que vivem na solidão, em todo território do brasileiro.

https://www.facebook.com/miguel.roman.9003/videos/10220395804789025/

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS