Tommye Austin é a enfermeira-chefe do Sistema de Saúde da Universidade de San Antonio, Texas, e enquanto visitava a unidade de tratamento de pacientes com COVID-19, viu pacientes com ventiladores artificiais lutando por suas vidas. Ela ouviu enfermeiras, equipe médica e outros trabalhadores falarem sobre como estavam preocupados em serem expostos ao coronavírus e talvez transmiti-lo aos entes queridos.

Austin percebeu que deveria apoiar sua equipe que precisava de equipamento de proteção adequado para combater esta doença, especialmente as máscaras N95. Apesar de o hospital ter sido bem abastecido com suprimentos, Tommye se perguntou se haveria máscaras suficientes para uma onda maior de infecções.

Depois, lembrou-se do que seu falecido marido sempre dizia: “Se você não consegue encontrar algo e não pode comprá-lo, faça!.”

Isso motivou Tommye a encontrar a melhor maneira de fazer uma máscara eficiente que funcionasse para seus colegas. Após dias de trabalho duro, esse profissional conseguiu criar o ‘TM 2020’ (as letras significam Máscara de Tommye), que acabou sendo uma melhoria no N95.

O nome N95 vem do fato de as máscaras filtrarem 95% das partículas no ar, como vírus. Os resultados do laboratório mostram que as máscaras de Tommye bloqueiam 96,5%. Além disso, os N95s não são projetados para serem usados ​​o dia todo, então elas tendem a deixar marcas dolorosas nos narizes, bochechas e queixo também, porque não têm como o dióxido de carbono expirado escapar, usuários dos N95s Às vezes, sofrem de tonturas ou dores de cabeça, problemas que não acontecem com o TM 2020.

Tommye usa sua máquina de costura em seu tempo livre, geralmente para criar colchas e cobertores. Ela aproveitou essa capacidade de costura para criar sua máscara.

A enfermeira lembra que em uma ocasião seu marido estava trocando o filtro de ar, explicou-lhe como os filtros eletrostáticos tinham um preço mais alto porque carregam uma carga que remove mais sujeira do ar. Então, quando Tommye foi comprar materiais para este projeto, lembrou-se da palavra eletrostática.

Ela comprou três modelos diferentes, cortou papel e armações de arame e foi trabalhar. “A eficiência de cada modelo era quase a mesma, mas uma era mais flexível. Deu à máscara um formato agradável e era muito respirável ”, disse Austin.

Seu maior desafio foi fazer com que a máscara caísse confortavelmente no nariz e na boca, mas não tão apertada que danificasse a pele, além disso teve que dar espaço para que o dióxido de carbono escapasse.

Após 10 dias de tentativas e falhas, a máscara TM 2020 tornou-se realidade. Dias depois que a apresentou ao hospital, Tommye recebeu mais de 1.500 ofertas de pessoas dispostas a comprá-las, mas o TM 2020 não se destina a fins comerciais.


Mais de 2.400 skins de Tommye foram feitas e doadas, o objetivo é criar 6.500.

Graças à engenhosidade e solidariedade de Tommye, as pessoas que não tiveram acesso a uma máscara protetora agora estão mais seguras.

Ao clicar aqui, você pode encontrar as instruções em inglês para a fabricação desta máscara.

Texto originalmente publicado no Nation, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS