Usuários que trabalham com pacientes em fase terminal de câncer, compartilharam no Reddit uma lista de coisas que as pessoas saudáveis deveriam apreciar mais.

A lista curiosamente não envolvia qualquer coisa que custe dinheiro, ou viagens. Eram apenas coisas simples, momentos do dia-a-dia, como o cheiro da chuva e ouvir seus avós contarem uma história.

A lista, obviamente, viralizou na internet, emocionando muita gente.

A publicação dizia:

“As coisas que meus pacientes com câncer terminal dizem que são mais importantes na vida não é visitar os pontos turísticos mais importantes do mundo, comprar coisas extravagantes, como o carro do ano, ou “viver” uma vida de festas.!

Aqui está uma lista do que eles mais valorizam:”

-“Olhar meus filhos jogar uma bola de beisebol”.

-“Ouvir meus avós contarem uma história”.

-“Minha namorada me surpreendendo com um beijo na bochecha”.

-“Segurando minha esposa em meus braços sabendo que não há lugar nenhum do mundo que eu queira estar”.

-“Jantar de domingo em restaurantes com  toda a família se junta”.

-“Meu cachorro”.

-“Ver meu noivo sorrindo e sentindo seus braços envolverem-me”.

Leia também: Este teste define em 95% o seu estado interior…

-“Minha filha correndo em minha direção quando chego em casa”.

-“O cheiro de flores e chuva”.

-“Correr todos as manhãs durante a semana. Eu sei que isso vai soar estranho, mas vou sentir falta. Também vou sentir falta do café, do adeus rápido de minha esposa, das crianças esquecendo o lanche da escola… Consegue me entender?”.

Um usuário identificado apenas por DoEyeNoU , disse que perdera sua melhor amiga de 20 anos com câncer. O amigo também falou sobre as coisas que ela sentiria falta e nada que ela dizia envolvia dinheiro. DoEyeNoU escreveu:

“… Foram as coisas que damos por certo na vida, como a família, amigos, animais de estimação, bebês, observar o nascer do sol, ouvir as trovoadas e ler um bom livro”, escreveu.

“O que ela disse mudou minha vida. Nunca deixei de apreciar essas coisas. Lamento que ela tivesse que morrer para que eu aprendesse a viver. Mas obrigado, Deb, você realmente foi minha melhor amiga até o final. Sinto sua falta”.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Texto originalmente publicado no Indy100, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

Crédito Capa: Jimdo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS