Os elefantes são criaturas incríveis. Gigantescos, majestosos e selvagens, esses verdadeiros tanques também são um dos animais mais inteligentes e nobres de toda a natureza.

Embora sejam capazes de correr em velocidades surpreendentes e tenham força suficiente para destruir tudo em seu caminho, essas criaturas são caracterizadas por serem profundamente familiares e superprotetoras. Quando você entra em uma família de elefantes, eles fazem qualquer coisa para protegê-lo e nunca esquecerão você.

Um exemplo vívido disso é a bela história do sul-africano Lawrence Anthony, o conhecido “sussurro de elefante” . Anthony deixou o emprego em uma agência imobiliária para fundar uma reserva natural na Zuzulândia, no antigo local de caça do lendário rei Shaka, fundador da nação zulu.

Este parque, chamado Thula Thula, mudou radicalmente o dia em que um grupo de elefantes selvagens chegou. Havia 5 paquidermes gigantes com uma única obsessão: escapar da reserva natural derrubando a cerca eletrificada.

Os zulus, que nunca haviam visto um elefante em suas vidas (nem mesmo na era pós-apartheid) e consideravam as reservas uma desculpa para os brancos roubarem suas terras, viram nesses paquidermes furiosos uma ameaça porque atrairia caçadores ilegais, mas para Anthony eram o símbolo majestoso da África.

Por isso, prometeu protegê-los, forjando um relacionamento próximo com sua brilhante matriarca, Nana, que ao invés de querer matá-lo passou a acariciá-lo e considerar Anthony como mais um membro do bando.

Ao longo de sua vida, Lawerence Anthony se tornou um famoso conservacionista, ativista ambiental e autor do conhecido livro “The Elephant Whisperer”, no qual relatou em detalhes como defendia os rebanhos desses animais espetaculares até ser considerado mais um membro de suas famílias.

E se isso soa exagero para alguns, as dúvidas são imediatamente dissipadas quando eles aprendem sobre os eventos que se seguiram à morte desse homem nobre em março de 2012: foi nesse momento que sua família falou sobre uma procissão solene de elefantes e isso não pode ser explicado.

Duas manadas de elefantes selvagens da África do Sul caminharam lentamente pelo mato da Zululândia em direção à casa de Lawrence Anthony por cerca de 12 horas.

Lawrence resgatou e reabilitou esses elefantes rebeldes e violentos, destinados a serem abatidos e agora, anos depois, eles estavam se aproximando de sua casa para ficar em uma vigília aparente e depois se espalhar pela floresta.

O filho de Lawrence, Dylan, disse: “Eles não visitam a casa há um ano e meio e deve levar cerca de 12 horas para fazer a viagem”. O primeiro rebanho chegou no domingo e o segundo rebanho um dia depois. Eles ficaram por cerca de dois dias antes de voltar para o mato.

Mas a questão é como esses elefantes sabiam que Lawrence faleceu?

“Um homem bom morreu repentinamente, a quilômetros e quilômetros de distância, duas manadas de elefantes, sentindo que haviam perdido um querido amigo humano. Eles se colocara em uma procissão solene quase ‘funeral’ para homenagear o amigo falecido ”, disse o rabino Leila Gal Berner.

“Se houve um tempo em que podemos realmente sentir a maravilhosa interconexão de todos os seres, é quando refletimos sobre os elefantes de Thula Thula. O coração de um homem para e os corações de centenas de elefantes são atingidos “, acrescentou.

“O coração amoroso deste homem se ofereceu para curar esses elefantes, e agora eles vieram prestar uma homenagem amorosa ao amigo”, concluiu.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS