A adoção é um processo complexo, às vezes até traumático. Isso se aplica a todos os envolvidos, pois as famílias também devem se adaptar e passar por momentos difíceis. Foi o que aconteceu com o pequeno Andrew, que tinha 10 anos na época.

Ele foi rejeitado em várias ocasiões, enquanto seus irmãos encontraram um lar permanente. Seu registro de conduta não era atraente para outros pais, então eles simplesmente o descartavam. Ele ficou no orfanato dos 6 anos de idade, até ser mandado para uma provisória, com a família Gill.

“Durante sua primeira semana conosco, ele se sentou em seu quarto com a porta fechada e olhou fotos antigas. Ele não queria falar. Aos poucos, com muito amor, eles foram se conhecendo até se oferecerem para ficar para sempre. “O amor não tem cor”, diz Andrew, que agora é um menino feliz, como sempre deveria ser.

Para muitos é estranho ver uma família afro-americana adotando um menino de pele “branca”. Dizemos a todos que o amor é sempre a coisa mais importante, que não importa sua aparência, de onde você vem ou o quanto você tem.

Essa história de amor começou com o tímido Andrew sendo convidado para jogar videogame por seu (agora) irmão Joc. Desde então eles se tornaram melhores amigos, verdadeiros irmãos, além de tons de pele, cores, linhagens. Isso não importa mais!

“O amor não tem cor.”

Quando André confirmou que queria fazer parte da família, eles lhe deram uma festa de boas-vindas, onde os sorrisos abundaram.

“Nossa ideia era ajudá-lo até que ele encontrasse seu lar para sempre. Mas depois que a segunda adoção não deu certo, percebi que Deus colocou André em nossas vidas por um motivo. Deus garantiu que a adoção não funcionasse para que pudesse voltar para nós.

“Desde o início, Andrew sempre disse ‘Obrigado por me acolher’, ‘Obrigado por não desistir de mim . ‘ As pessoas liam seu histórico e o rejeitavam. Mas eu sabia que ele era um bom garoto que havia passado por muitos traumas. ” Dominique agora mãe de Andrew.

Os Gills nunca planejaram uma adoção, eles só queriam ser um lar temporário para crianças, assim como os pais de Dominique faziam quando ela era pequena.

O amor sempre prevalecerá sobre tudo, não importa a cor da sua pele.

 

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS