Há dias em que precisamos desocupar alguns lugares dentro do nosso coração e da estante, pois possuem coisas, pessoas e sentimentos que só nos causam pesos desnecessários. Resolvi então, fazer uma limpeza no meu coração.

Tirei absolutamente tudo aquilo não importa mais. Foi doloroso me desfazer de algumas lembranças? Claro que foi! Mas foi preciso. Tirei do cantinho do coração alguns álbuns empoeirados com lembranças, as quais eu guardava ali, a sete chaves. Percebi que as lembranças eram importantes, porém, não deveriam mais ocupar um espaço enorme dentro do meu coração.

Achei fotos de pessoas que passaram pela minha vida rápido demais, já outras, que permaneceram um pouco mais e, que por isso, o número de lembranças era um pouco maior. Olhei para as fotos que me remetiam a momentos que foram felizes e até mesmo a momentos que foram tristes.

Confesso que foi dolorido olhar para cada foto e sentir tudo aquilo que eu senti no momento exato em que aquela lembrança passou a se tornar, literalmente, apenas uma lembrança.

Não é fácil nos despedirmos das coisas que guardávamos há um tempão, muitas vezes por puro apego e egoísmo de deixar ir.

Leia também: Mulher dá à luz a primeira filha aos 64 anos

Percebi o quão necessário é que deixemos ir todos aqueles que simplesmente optaram por ir. Afinal, não precisamos conviver com o peso da culpa e com todos os questionamentos acerca de uma única questão: “O que deu errado?”

É importante saber conviver com a falta e com o fim de mais um capítulo que terminou. Mas acima de tudo, é importante acreditarmos no fato de que a nossa história continua sim, e que independentemente de termos as lembranças passadas presentes ou não, nossa história ainda continua bonita.

É necessário percebermos que se quisermos ter uma vida mais feliz e livre de tudo aquilo que nos causa peso, temos que tomar uma decisão – decisão essa que exige que abramos mão dos velhos álbuns empoeirados, aqueles que guardamos no fundo do coração ou em cima da estante, mas que é embasada no fato de que, se vamos para frente, algumas coisas sempre ficam para trás.

E cá entre nós, não há nada de mais nisso. É preciso decidir. Faz parte de uma vida mais feliz!

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte: Aleteia
Autor:Talita Rodrigues

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS