Aos 64 anos e cheia de disposição, a procuradora da prefeitura de Itabira (MG), Norma Maria de Oliveira deu à luz sua primeira filha nesta terça-feira (10), na Maternidade Hospital Octaviano Neves, em Belo Horizonte.

A mãe e a pequena Ana Letícia, estão bem e descansam após o parto.Em entrevista ao portal Uol, a ginecologista e obstetra especialista em gravidez de alto risco Rita de Cássia Sousa Amaral relatou que a procuradora engravidou por meio de uma fertilização in vitro.

“Os óvulos foram de uma doadora anônima e os espermatozoides do companheiro de Norma. Mas o que mais surpreendeu foi que o procedimento deu certo já na primeira tentativa”, comentou a médica.

Norma procurou a especialista em junho de 2017. Aos 63 anos, ela demonstrava muita disposição e vontade de gerar seu primeiro filho.

A gestação ocorreu dentro do tempo previsto e teve apoio de uma equipe médica que se utilizou de vitaminas complexas e anticoagulantes. Ana Letícia nasceu com 33 semanas e meia, pesa 1,7 quilo e mede 48 centímetros, conforme apurou o Uol.

A médica comemorou o nascimento da menina. “Há poucos anos, nem se cogitava essa situação para uma mulher com mais de 60 anos. Foi uma experiência nova e gratificante para todos os envolvidos”, disse a médica.

Leia também: Com posto de saúde fechado, médico atende seus pacientes na calçada

Fertilização in vitro

A fertilização in vitro (FIV) é uma técnica de reprodução medicamente assistida que consiste na colocação, em ambiente laboratorial, (in vitro), de um número significativo de espermatozóides, 50 a 100 mil, ao redor de cada ovócito II, procurando obter pré-embriões de boa qualidade que serão transferidos, posteriormente, para a cavidade uterina.

A técnica de fertilização in vitro (FIV) iniciou uma nova era da medicina reprodutiva quando, em 1978, resultou no nascimento do primeiro “bebê de proveta”, no Reino Unido.

Desde então, o desenvolvimento tecnológico tem proporcionado taxas de sucesso progressivamente maiores, garantindo o sucesso na realização do sonho de muitos casais.

Inicialmente restrita às mulheres com obstruções das trompas, hoje a FIV é utilizada como opção terapêutica para casais com fatores masculino, imunológico, ovariano e com endometriose, entre outras causas.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Com informações: Bhaz

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS