Por: JENNIFER DELGADO SUAREZ

Às vezes, ficamos quietos demais. Por educação. Por medo de ofender. Por insegurança. Porque não sabemos se é a hora certa … O problema é que esses silêncios podem acabar se transformando em uma bomba-relógio prestes a explodir a qualquer momento. Se não dissermos o que nos incomoda quando nos incomoda, em vez de usar nossas melhores palavras, acabaremos usando nossas “melhores” ofensas.

Acumular muita frustração é perigoso

Tendemos a pensar que a raiva é nosso pior inimigo, que é uma das emoções mais negativas que podemos experimentar, mas em muitos casos a frustração está oculta em sua base. A frustração é frequentemente uma emoção crescente , tornando às vezes muito difícil detectar e parar. Quando percebemos, ficamos tão frustrados que acabamos explodindo.

O paradoxo é que tendemos a ficar mais frustrados com os mais próximos e mais significativos para nós. Embora amemos alguém muito, esse alguém também pode nos causar uma grande frustração. Isso ocorre porque todos temos um certo nível de tolerância à frustração, que diminui com a exposição repetida a uma situação ou pessoa quando consideramos frustrante o que está acontecendo.

Isso significa que, no início de uma experiência difícil, podemos gerenciar facilmente nossa frustração, mas com o passar do tempo e essa experiência se repete, talvez porque não possamos parar com isso, expressando o quanto isso nos incomoda, nossa capacidade de gerenciá-la diminui consideravelmente, até que chega o momento em que simplesmente sentimos que somos incapazes de continuar a suportá-lo.

Com pessoas próximas, esse nível de tolerância pode diminuir ainda mais rapidamente, pois muitas vezes não temos um espaço mais íntimo e privado para nos isolarmos para encontrar calma e recuperar nosso nível de tolerância. O contato diário nos faz saturar mais rápido. O problema é que, nesse momento, perdemos o autocontrole e acabamos explodindo, dizendo ou fazendo coisas das quais mais tarde lamentamos.

O risco de caricaturar outras pessoas

Quando nos submetemos a situações desconfortáveis ​​em silêncio, sem defender nossos direitos, nosso diálogo interno é ativado, um mecanismo através do qual liberamos nossa imaginação para tentar resolver conflitos do mundo real sem provocar confrontos.

O problema é que, em muitas ocasiões, o diálogo interno acaba ficando fora de controle, então caricaturamos a outra pessoa. Acabamos destacando apenas suas deficiências, assumindo um pensamento dicotômico, em que as coisas são “pretas ou brancas”, o que não é o melhor aliado da conciliação, mas se torna mais combustível para um incêndio que já está queimando.

Quando estamos muito frustrados, podemos perder a perspectiva e, de repente, parar de ver as boas qualidades dos outros, de modo que palavras ou atitudes ofensivas ardem ainda mais na ferida.

Por que devemos perceber as coisas da primeira vez?

Quando algo nos incomoda, geralmente é melhor notá-lo pela primeira vez. Às vezes, não podemos expressá-lo naquele momento, mas não deve ser adiado indefinidamente, pois a outra pessoa provavelmente nem sabe que suas palavras ou atitudes nos incomodaram.

Quando apontamos o que nos incomoda, não estamos apenas reivindicando nossos direitos, mas evitamos a ruminação subsequente e a frustração que ela gera. Evitamos cair nesse ciclo mental em que fazemos um “filme em nossa cabeça” que acaba se distanciando um pouco da realidade.

A sinceridade, pelo contrário, permite-nos manter um relacionamento mais autêntico, sem acumular ressentimentos. Você só precisa se certificar de expressar o que sente sem acusar ou magoar o outro. Dizer o que você pensa não significa cometer sinceridade .

Quando criamos o hábito de expressar nossas emoções de forma assertiva, podemos fazê-lo sem raiva, no respeito pelos outros e no respeito próprio . Sem dúvida, é uma maneira diferente de se relacionar que vale a pena tentar. Eles melhorarão nossos relacionamentos e preservaremos nossa paz de espírito.

Texto originalmente publicado no Rincón de la Psicologia, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS