Segundo o estudo o documento da The New England Journal Medicine of Medicine, que você confere na íntegra aqui. “Existe uma relação bidirecional entre Covid-19 e diabetes. “Por um lado, o diabetes está associado a um risco aumentado de Covid-19 grave. Por outro lado, diabetes recente e complicações metabólicas graves do diabetes preexistente, incluindo cetoacidose diabética e hiperosmolaridade (ambas são complicações em quadros de diabetes. Situações de emergência) para as quais são necessárias doses excepcionalmente altas de insulina, foram observados em pacientes com Covid-19”.

Estudo publicado

O estudo da Diabetes Care, aponta que existe um grande risco de pessoas portadoras da diabetes tipo 1 desenvolver sintomas graves da doença a partir do contágio da COVID-19.

Segundo o estudo o diabetes enfraquece o sistema imunológico, trazendo dificuldade ao organismo de se proteger contra infecções virais, tais como o novo coronavírus. No caso de pacientes com diabetes preexistente, o coronavírus, pode agravar o gerenciamento dos níveis de açúcar no sangue fazendo que os quadros apresentem piora nos resultados.

No estudo pessoas com diabetes tipo 1, com suspeitas ou confirmadas pela infeccão da COVID-19, metade dos indivíduos apresentaram a taxa de açúcar no sangue anormalmente alto, destacando como o COVID-19 pode complicar o controle do açúcar no sangue.

Ter açúcar no sangue consistentemente alto pode ser um sinal de cetoacidose diabética, uma complicação diabética potencialmente fatal que é caracterizada por açúcar no sangue alto e baixos níveis de insulina. É comumente desencadeada por infecções.

No estudo, quase metade de todos os casos confirmados de COVID-19 também desenvolveram cetoacidose diabética,

“Isso aponta para a necessidade de as pessoas com diabetes verificarem frequentemente a glicose no sangue e manterem a glicose no sangue em bom controle”. disse o Dr. KM Venkat Narayan, professor de saúde e epidemiologia global da Universidade Emory, que não participou do estudo.

Ele acrescentou: “As pessoas com diabetes, em geral, têm um risco aumentado de complicações adversas ao COVID e têm mais do que o dobro do risco de morte por COVID do que as pessoas sem diabetes”.

Tipos de diabetes

Os tipos de diabetes existentes são o : Tipo 1 e o Tipo 2. O diabetes Tipo 1,  é caracterizado pelo excesso de glicose (açúcar) no sangue, o que desencadeia uma série de complicações no organismo. Mas, nesse caso, a doença surge em geral na infância e na adolescência, traz sintomas como vontade urinar e perda de peso e tem origem autoimune. Ou seja, as próprias unidades de defesa do corpo passam a destruir o pâncreas, responsável pela produção de insulina. O tratamento, portanto, sempre envolve a reposição desse hormônio.

O diabetes Tipo 2 é uma doença crônica que afeta a forma como o corpo metaboliza a glicose, principal fonte de energia do corpo. A pessoa com diabetes tipo 2 pode ter uma resistência aos efeitos da insulina – hormônio que regula a entrada de açúcar nas células – ou não produz insulina suficiente para manter um nível de glicose normal. Quando não tratado, o diabetes pode ser fatal.

Este estudo incluiu apenas pacientes com diabetes tipo 1 e um caso suspeito ou confirmado de COVID-19.

“Até agora, a maioria dos estudos publicados reuniu todos os tipos de diabetes. Sabemos que essas condições podem ser muito diferentes e precisamos estudá-las separadamente”, disse o Dr. Fernando Ovalle, diretor da divisão de endocrinologia, diabetes e metabolismo. na Escola de Medicina de Birmingham, Universidade do Alabama, que não participou do estudo.

A Dra. Mary Pat Gallagher, diretora de diabetes pediátrica da NYU Langone Health e coautora do estudo, disse que, a partir dos dados, eles apresentam riscos de complicações, como alto nível de açúcar no sangue e cetoacidose diabética com COVID-19, provavelmente são semelhantes aos aqueles observados em outras doenças virais. Porem é bom salientar que a “COVID é uma infecção mais séria que a gripe”, disse Narayan.

O estudo ainda é bastante pequeno, sendo necessário mais pesquisas, segundo o Dr.Ovalle, a maioria das pessoas estudadas tinha 20 e poucos anos e não examinou como a gravidade dos sintomas do COVID-19 se comparava às pessoas sem diabetes tipo 1.

“São necessárias muito mais pesquisas antes que possamos ter certeza de quais são os verdadeiros riscos, principalmente para o diabetes tipo 1”, disse ele.

A Dra. Osagie Ebekozien, autora do artigo e vice-presidente da T1D Exchange, acrescentou: “À medida que coletamos dados adicionais, poderemos fornecer mais informações sobre fatores que contribuem para o aumento dos riscos de hospitalização e resultados adversos como resultado do COVID -19 para pessoas com diabetes tipo 1 “.

Independentemente disso, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças disseram que o diabetes, “incluindo tipo 1, tipo 2 ou gestacional, pode colocar as pessoas em maior risco de doença grave por causa do COVID-19”, e os pacientes devem tomar precauções extras. A agência recomenda tomar pílulas para diabetes ou insulina, como de costume, testando e monitorando o açúcar no sangue a cada quatro horas e tendo pelo menos um suprimento de duas semanas de pílulas para diabetes ou insulina.

“Níveis altos de glicose podem ser um fator que contribui para o risco excessivo do COVID e, portanto, a atenção ao controle da glicose é fundamental”, disse Narayan.

O melhor segundo especialistas,  é que pessoas diabéticas conversem com seus médicos para ver se há necessidade de algum ajuste na medicação. “Geralmente é possível prevenir a cetoacidose diabética se os requerimentos mais elevados de insulina, geralmente observados com doenças virais, são abordados no início do processo”, disse Gallagher.

O importante para aumentar a as defesas contra o coronavírus e ter uma estilo de vida saudável, com exercícios regulares, dieta equilibrada, sono regular e controle do estresse, todas essas mudanças nos hábitos ajuda também no controle do diabetes, afirmou o Dr Narayan.

Com informações: Revista Saber e Saúde

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS