Uma professora de 65 anos, responsável por ajudar a desenvolver um novo tratamento para o câncer de ovário, doou todos os seus lucros para instituições de caridade.

A professora Nicola Curtin é apenas uma das pesquisadoras da Universidade de Newcastle que passou os últimos 30 anos desenvolvendo o medicamento Rubraca, que foi aprovado para uso pelo NHS no Reino Unido.

O medicamento, que é classificado como um inibidor da PARP, funciona através da exploração de um defeito comum no câncer de ovário. A droga prejudica a capacidade das células cancerígenas de reparar o desgaste normal do seu DNA, de modo a matar células tumorais sem danificar células saudáveis.

Desde que a Universidade de Newcastle vendeu royalties pela droga, 31 milhões de libras, Curtin usou sua parte de 865.000 libras (1,2 milhão de dólares) para lançar o Fundo Curtin PARP (Community About Your Reality Your Potential).

O fundo apoiará uma série de atividades para ajudar as pessoas a desenvolver habilidades, talentos e confiança para superar barreiras ao emprego ou à educação. Será dada prioridade aos prestadores de cuidados, negros e minorias étnicas, pessoas com deficiência, sem-teto e pessoas que enfrentam desvantagens que os impedem de realizar seu potencial.

Embora a primeira rodada de inscrições para o Curtin PARP Fund na Community Foundation tenha sido fechada no início desta semana , ela será reaberta novamente em meados de janeiro para a rodada de 2020 e receberá inscrições em qualquer momento do ano.

“Essa jornada me fez refletir sobre minha própria vida e parece errado me beneficiar disso financeiramente”, disse o professor Curtain. “Tenho orgulho de que essa pesquisa mude vidas e tenho tudo o que preciso na vida – um bom trabalho, uma família amorosa, uma casa bonita, mas na sociedade há muitos que não têm isso”.

(Esquerda para a direita) Sandra King (diretora de filantropia da Community Foundation), Helen Goddard (assessora do Fundo) e professora Nicola Curtin. Foto da Universidade de Newcastle.
“Eu sei em primeira mão que as pessoas são capazes de coisas incríveis, mas a sociedade às vezes nem sempre permite que as pessoas alcancem seu pleno potencial. Assim, através do Fundo Curtin PARP da Community Foundation, quero deixar um legado duradouro que mudará vidas para melhor. ”

Quando perguntada pelo Times por que ela optou por doar todos os seus lucros com a droga, ela comparou seu trabalho a ganhar na loteria.

“Não acho que nenhum cientista seja movido por considerações monetárias”, disse Curtain. “Em grande parte, somos motivados a descobrir as coisas. E o fato de termos atingido o ouro com esta droga se deve em grande parte à sorte. Tem havido muito trabalho árduo por muitas pessoas, mas isso é verdade para muitos projetos que não atingem o mesmo resultado. Eu poderia facilmente ter sido uma dessas pessoas”.

Texto originalmente publicado no Good News Network, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS