Pessoas ruivas geralmente chamam a atenção por onde passam.

Os ruivos naturais representam  cerca de 1 a 2% da população mundial, ou seja são cerca de 70 milhões a 140 milhões de pessoas, embora em muitos países ser ruivo é comum. No Brasil essa condição genética é bastante incomum.

Seus cabelos alaranjados e sardinhas são considerados características bonitas e atraentes por muitas pessoas, como alguns famosos, príncipe Harry, Ed Sheeran e Jessica Chastain.

No entanto, os ruivos são muito mais do que apenas rostos bonitos, de acordo com uma pesquisa. Entenda melhor abaixo.

Erin La Rosa publicou recentemente seu livro The Big Redhead Book: Inside the Secret Society of Red, (“O Grande Livros dos Ruivos: Adentrando a Secreta Sociedade do Vermelho”, em tradução livre). Em seu livro, La Rosa explica sobre o que significa ser um ruivo na sociedade e incentiva essas pessoas a se orgulharem de ser quem são, evidenciando benefícios biológicos da condição genética.

Leia Mais: 08 Maneiras que médicos e enfermeiros previnem doenças

Além disso, La Rosa também acredita que os ruivos podem ser pessoas mais resilientes do que o resto de nós. De acordo com seus relatos de uma pesquisa, os ruivos podem lidar com a dor de forma mais eficaz do que outros, por causa da mutação do gene MC1R que dá a cor alaranjada ao cabelo dessas pessoas.

Um estudo da Universidade McGill de 2003 mostra que mulheres que têm cabelos ruivos tendem a tolerar cerca de 25% mais dor do que as mulheres que não têm cabelo vermelho natural.

Segundo os pesquisadores da Universidade de Louisville, os ruivos precisam de cerca de vinte por cento mais de anestesia geral quando se submetem a uma cirurgia. Isso significa que ruivos são realmente pessoas mais resistentes.

O estudo também mostra que pessoas ruivas também são mais sensíveis às mudanças de temperatura. Ou seja, essas pessoas são realmente as primeiras a contar aos outros quando o inverno está a caminho.

Os benefícios da condição não terminam por aí. Os ruivos precisam de menos vitamina D do que o restante de nós, e são capazes de produzir mais desta vitamina em um menor período de tempo, graças à mutação do MC1R.

Quantos benefícios! Essas pessoas são realmente especiais!

Texto originalmente publicado no Spirit Unique, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS