Em vez de ter como alvo as proteínas nocivas típicas associadas à demência, os cientistas dizem que – pela primeira vez – eles reverteram a demência em ratos com uma droga que reduz a inflamação.

Até agora, a maioria dos tratamentos de demência tinham como alvo as placas amilóides que são encontradas em pessoas com doença de Alzheimer. A revelação saiu no estudo publicado na Science Translational Medicine, onde sugere que o direcionamento da inflamação no cérebro pode deter a demência.

Em experimentos conduzidos na Universidade da Califórnia, Berkeley, ratos senis foram significativamente melhores no aprendizado de novas tarefas e tornaram-se quase tão hábeis quanto aqueles com metade de sua idade.

Os especialistas estão “otimistas” de que funcionará em humanos e possivelmente levará à cura da devastadora condição neurológica. Além disso, eles esperam que qualquer medicamento desenvolvido com sua estratégia também possa ajudar o cérebro a se recuperar de derrames, concussões ou lesões cerebrais traumáticas.

O sucesso do tratamento em camundongos apóia um crescente corpo de pesquisas que afirma que nossas barreiras hemato-encefálicas começam a vazar à medida que envelhecemos. Este é o sistema de filtração que bloqueia os organismos infecciosos, permitindo a entrada de substâncias químicas que destroem os neurônios.

Exames anteriores de ressonância magnética (RNM) do co-autor do estudo, Professor Alon Friedman, descobriram que a barreira quebra em quase 60% das pessoas aos 70 anos.

Experimentos em ratos mostraram que isso causa uma névoa inflamatória que altera os ritmos do cérebro, causando pequenos eventos semelhantes a convulsões. Isso leva a lapsos momentâneos no hipocampo que controla a memória – lançando uma nova luz sobre os sintomas de demência e outras doenças cerebrais degenerativas.

“Temos a tendência de pensar sobre o cérebro envelhecido da mesma forma que pensamos sobre a neurodegeneração”, disse a autora sênior, Professora Daniela Kaufer, da Universidade da Califórnia, Berkeley. “A idade envolve perda de função e células mortas. Mas nossos novos dados contam uma história diferente sobre por que o cérebro envelhecido não está funcionando bem.

“É por causa dessa ‘névoa’ de carga inflamatória. Mas quando você remove aquela névoa inflamatória, em poucos dias, o cérebro envelhecido age como um cérebro jovem ”, acrescentou. “É uma descoberta muito, muito otimista, em termos da capacidade de plasticidade que existe no cérebro. Podemos reverter o envelhecimento do cérebro. ”

Varreduras chamadas EEGs (eletroencefalogramas) revelaram perturbação das ondas cerebrais semelhantes em humanos com Alzheimer, deficiência cognitiva leve (MCI) e epilepsia.

Significa que barreiras vazadas e ritmos cerebrais anormais detectáveis ​​por ressonância magnética e EEG, respectivamente, podem ser usados ​​para sinalizar pessoas com demência – bem como sinalizar uma oportunidade de intervenção usando um medicamento para retardar ou reverter a doença.

A droga, chamada IPW, bloqueia um gene conhecido como TGF-β, que alimenta a inflamação, que desencadeia a proteína albumina do sangue.

Agora temos dois biomarcadores que informam exatamente onde a barreira hematoencefálica está vazando, para que você possa selecionar pacientes para tratamento e tomar decisões sobre por quanto tempo dar a droga”, disse o professor Kaufer. “Você pode segui-los e, quando a barreira hematoencefálica estiver curada, você não precisará mais da droga.”

Quando deram a droga aos ratos em doses que diminuíram a atividade do gene, seus cérebros pareceram mais jovens; houve menos inflamação e melhora das ondas cerebrais, bem como redução da suscetibilidade a convulsões. Os ratos também navegaram em um labirinto e aprenderam tarefas espaciais de forma semelhante a um jovem rato.

Em uma análise do tecido cerebral de humanos, o professor Kaufer encontrou evidências de albumina em cérebros idosos e aumento da neuroinflamação e produção de TGF-β.

O professor Friedman, da Ben-Gurion University of the Negev, em Israel, desenvolveu uma técnica de varredura chamada DCE (Dynamic contrast-Enhanced) – um tipo especial de ressonância magnética. Isso detectou mais vazamento na barreira hematoencefálica de pessoas com maior declínio cognitivo.

Ao todo, as evidências apontam para uma disfunção no sistema de filtração do sangue do cérebro como um dos primeiros gatilhos do envelhecimento neurológico, disse Kaufer.

Sua equipe agora criou uma empresa para desenvolver um medicamento para curar a barreira hematoencefálica para tratamento clínico – e pode eventualmente ajudar adultos mais velhos com demência ou doença de Alzheimer que demonstraram vazamento da barreira hematoencefálica.

“Conseguimos isso pela porta dos fundos; começamos com perguntas sobre a plasticidade relacionada à barreira hematoencefálica, lesão cerebral traumática e como a epilepsia se desenvolve ”, disse Kaufer. “Mas depois que aprendemos muito sobre os mecanismos, começamos a pensar que talvez com o envelhecimento, é a mesma história. Esta é uma nova biologia, um ângulo completamente novo sobre por que a função neurológica se deteriora à medida que o cérebro envelhece. ”

Atualmente, os únicos medicamentos para demência ou Alzheimer tratam os sintomas e não a causa. Essa nova droga, no entanto, abre a porta para mudar exatamente isso.

Texto originalmente publicado no GNN, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS