Há pessoas que mal conhecem alguém e já abraçam sem qualquer problema. Enquanto para os outras, a pior coisa que poderia acontecer é ter que abraçar alguém que elas não conhecem.

Porque este mundo, é basicamente dividido entre aqueles que gostam de abraçar e outros que não?

De acordo com especialistas, a razão pela qual uma pessoa pode ou não gostar de um abraço depende de quanto amor, carinho e abraços receberam dos seus pais.

“Nossa tendência a participar do contato físico, seja abraçando, dando tapinhas nas costas de alguém ou sendo afetuoso com um amigo, geralmente é o produto de nossas experiências na primeira infância.”Suzanne Degges-White, conselheira e conselheira da Universidade do Norte de Illinois na Time .

De acordo com Dogge-White, quando as famílias não demonstram fisicamente sua afeição, é muito complicado para as pessoas se expressarem através de abraços quando crescem.E, de fato, é muito provável que, quando essa criança crescer e tiver seus próprios filhos, os trate da mesma maneira.

Embora existam outros, que desenvolvem o efeito completamente oposto. “Algumas crianças crescem e sentem ‘fome’ de contato e se tornam abraçadoras sociais que não podem dizer olá a um amigo sem um abraço ou um toque no ombro“, afirma Suzanne.

E as razões vão além de simplesmente ter sido ou não adotadas, mas também tem a ver com fatores biológicos das crianças. Darcia Narváez, da Universidade de Notre Dame, explica que existem duas características fundamentais presentes em uma criança que recebeu pouco carinho.

Primeiro, é possível que você tenha a região responsável pela transmissão de impulsos emocionais menos desenvolvida, fazendo com que a capacidade de ser carinhoso e sentir compaixão seja diminuída.

A segunda característica é a menor liberação de oxitocina, o “hormônio do amor”, responsável por formar laços com outras pessoas.

Mesmo assim, Narváez insiste que é bom incentivar o contato físico quando são crianças, porque “as pessoas mais abertas ao contato físico com os outros tendem a ter níveis mais altos de autoconfiança”.

Então você sabe, abrace todas as crianças que puder!

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS