A infância é uma idade de ouro: não só porque tudo é uma imensa descoberta para os nossos olhos de crianças, mas também porque temos mãe e pai para nos proteger e guiar. O que quer que precisemos, seja qual for o obstáculo, sabemos que podemos confiar e contar com eles.

Crescendo, a segurança que eles nos dão é menor; o mundo se torna mais complicado e os problemas não são mais tão simples de resolver. Mas acima de tudo, eles, nossos heróis, começam a perder seus “superpoderes”, energias e vigor, e assim, cabe a nós cuidar deles.

É difícil aceitar que os pais envelhecem: então, inicialmente, ficamos irritados com essas pequenas limitações que, ano após ano, vemos surgir. Estamos cientes de que os anos passam e seus cabelos começam a ficar grisalhos, as rugas desenham seus rostos, mas ainda assim ficamos aborrecidos com o fato que eles não podem mais reagir com prontidão, autonomia e resolução aos nossos pedidos e necessidades.

Como se inconscientemente reivindicássemos a mesma atenção de quando éramos jovens, o mesmo papel protetor da infância, e ficamos com raiva ao perceber que está faltando. Se esquecem um compromisso, se temos que repetir a mesma frase mais vezes e mais alto, não é por maldade ou descuido em relação a nós: sempre seremos seus filhos aos olhos da mamãe e do papai.

Então, quando começamos a notar essas mudanças, a preocupação toma conta e se transforma em uma angústia que nos corroe.

E é então que, de filhos, passamos a ser pais de nossos pais.

Cuidar de nossos pais significa não apenas vigiar sua saúde, mas mantê-los longe das preocupações e dores, grandes e pequenas, da vida. Portanto, não contamos a eles sobre as nossas ansiedades como pais, sobre as dificuldades da família; nós diminuímos os problemas com as crianças e omitimos os do trabalho: em suma, suavizamos a realidade, a lavamos de qualquer desgosto e angústia e a tornamos mais manejável – física e emocionalmente.

Enquanto isso, cerramos os dentes, porque aquele abrigo seguro que eles representavam não existe mais, exceto em nossas memórias. Em vez de uma solução para os problemas, devemos nos contentar com um sorriso e um abraço inconsciente de nossas dificuldades. Mas sabemos que isso é certo e que eles finalmente têm o direito de se sentirem cansados ​​e de serem cuidados pelos filhos.

Por outro lado, vamos nos sentir gratos, porque assim podemos devolver a eles um pouco daquele cuidado e apoio que nos ofereceram com tanto amor.

  • Siga a Revista Saber Viver Mais no Instagram aqui.
  • Curta a Revista Saber Viver Mais no Facebook aqui.

Fonte: Olha que Vídeo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS