Os malefícios de dormir mal são muitos. A privação de sono crônica pode aumentar os riscos de você ter uma hipertensão, AVC, diabetes, depressão ou mesmo engordar.

Mas quantas horas de sono afinal cada pessoa precisa? Isso, na verdade, é muito relativo, para alguns pode ser seis horas, para outros dez! “A média na população seria de sete horas e meia de sono ao dia, mas o ideal seria acordarmos com a sensação de que dormimos o suficiente, ou seja, descansados”, explica a otorrinolaringologista e médica especialista em sono, Angela Beatriz Lana.

O problema é que apenas uma noite mal dormida já pode ocasionar uma série de problemas e, de acordo, com a especialista, um terço da população está dormindo 2 a 3 horas a menos do que precisa. Quer saber mais? Veja alguns dos malefícios da restrição de sono, mesmo por uma noite.

1 – Aumenta a chance de acidentes

Pode parecer óbvio, mas sabia que com apenas um pouco de redução do sono já aumentam os problemas com concentração? Ai, seu problema no trânsito não será apenas o sono… “Com apenas uma hora a menos de sono já é possível sentir efeitos do cansaço no dia seguinte e dificuldades de concentração: erros pequenos no trabalho, esquecimento de palavras ou tarefas, desconcentração no trânsito…”, enumera a otorrinolaringologista e médica especialista em sono, Angela Beatriz Lana. Portanto, vale separar uma horinha mais para passar entre os travesseiros!

2 – Detona o sistema imunológico

O sistema de defesa do nosso corpo está intimamente ligado ao ciclo do sono, e mesmo tendo ele ruim por uma noite, já é possível sentir as consequências. “Muitos estudos têm mostrado que a privação de sono mesmo que por um dia faz nossas células de defesa (células T) e natural killers (NK) caírem”, considera Angela.

As relações do sono com a imunidade ainda vão além: “alguns trabalhos mostram, por exemplo, que quem está privado de sono produz menos anticorpos ao tomar uma vacina de quem dormiu bem”, expõe o médico do sono Geraldo Lorenzi Filho, coordenador da Residência Médica em Medicina do Sono do Incor e do Laboratório do Sono do Hospital Santa Cruz.

3 – Aumenta os problemas de memória

Há algum tempo os médicos já sabem que é durante a noite que nós fixamos a memória: as lembranças do dia se fixam nesse momento. Por isso mesmo, com uma noite mal dormido, já é possível sentir diferenças. “A fase das ondas lentas (em que dormimos sem pensamentos) e o sono REM são fundamentais para essa assimilação, e ambas só são atingidas quando chegamos ao sono mais profundo, o que se reduz quando dormimos pouco”, explica Lorenzi.

4 – Prejudica a aparência

Alguns estudos têm mostrado que pessoas que dormem menos são consideradas menos atraentes. E a culpa não é somente das olheiras… Há também o fator hormonal. “Pouco sono ou sono de má qualidade esta relacionado a uma redução na produção do hormônio de crescimento GH, que é fundamental para a renovação celular, prevenindo o envelhecimento precoce da pele e o acúmulo de tecido adiposo”, considera especialista em sono Angela.

Além disso, a liberação de cortisol, devido à redução de tempo dormindo, ocasionando uma deterioração mais rápida do colágeno. Portanto, a história do sono de beleza realmente está valendo.

5 – Reduz o tecido cerebral

Um estudo pequeno, feito com 15 homens e publicado na revista científica Sleep mostrou que apenas uma noite mal dormida estava ligada a sinais de perda do tecido cerebral. Os cientistas constaram isso por meio dos níveis no sangue de duas moléculas do cérebro, que normalmente aumentam após algum dano neste órgão. “Claro que esse é um estudo inicial, com marcadores que parecem indicar esse dano”, ressalta Lorenzi. Ainda assim, com tantos outros problemas associados a qualidade, melhor não arriscar, não é mesmo?

  • Siga a Revista Saber Viver Mais no Instagram aqui.
  • Curta a Revista Saber Viver Mais no Facebook aqui. 

Fonte:minha Vida

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS