Como seria a sensação de uma pessoa cega poder enxergar novamente?

Graças a um olho biônico, Allen Zderad, que perdeu a visão completamente, pôde rever sua esposa depois de uma década.

Allen adquiriu uma doença degenerativa chamada retinite pigmentosa, que afeta a retina dos olhos e não tem tratamento eficaz ou cura. Aos 68 anos de idade ele estava totalmente cego, conseguindo enxergar apenas a presença de luzes fortes.

Há dez anos que Allen não vê o rosto de sua esposa Carmen e de seus 10 netos, apenas consegue lembrar o rosto do mais velho e nem chegou a conhecer os mais novos.

Um deles, que estava com a mesma doença em estágio inicial, foi a uma consulta médica com Raymond Iezzi Jr., pesquisador e oftalmologista. O médico disse: “Diga ao seu avô que eu gostaria de vê-lo”.

Felizmente, descobriu-se que Allen era o paciente ideal para o primeiro ensaio clínico do olho biônico em Minnesota, Estados Unidos.

Leia Também: “Bullying existe em todas as escolas” , Leandro Karnal comenta sobre tragédia em Goiânia

Conhecido como “Second Sight Argus II“, o sistema de prótese de retina permite que cegos enxerguem formas humanas e reflexos de luz. Allen foi a 15ª pessoa a receber os óculos nos Estados Unidos.

A primeira indicação de que o dispositivo funcionou veio na forma de um momento de emoção, quando Allen pulou para abraçar sua esposa. Agarrou-a em seus braços, sorriu de felicidade e depois caiu em prantos.

Resultado de imagem para second sight argus

Embora não seja possível ver todos os detalhes dos rostos ou imagens, Allen conseguiu andar por uma sala cheia de pessoas e encontrar quem era sua esposa. “Como a encontrou?” perguntaram ao paciente emocionado. “É fácil, ela é a mais bonita na sala“, respondeu.

Um milagre da tecnologia e uma história de amor. Veja abaixo o vídeo emocionante que mostra a reação de Allen ao ver sua esposa novamente:

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte: Hypeness

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS