O Barulho ou estalo dos lábios das pessoas quando elas estão comendo te deixam incomodado?

Talvez você odeie ir ao cinema porque as pessoas comem pipoca ao seu lado, e isso faz você querer enfiar-se em um buraco. Ou, simplesmente o som de alguém mastigando chiclete te causa um desconforto e certa irritação.

Se você se encaixa no que foi descrito, relaxe. Você pode ter maior sensibilidade a certos ruídos, uma condição diagnosticado como “misofonia”.

Mas ser diagnosticado com misofonia, não é totalmente ruim. Há algumas boas notícias relacionadas a essa condição.

Cientistas da Northwestern University descobriram que as pessoas que são hipersensíveis a sons particulares tendem a ser mais criativas do que as que outras.

Sim, você leu certo. Se você ficar chateado por sons de mastigação, você provavelmente pode ser um gênio. Quanto mais raiva você sente na incapacidade das pessoas de comer seus alimentos calmamente, mais probabilidade de ser um gênio você tem.

Como a misofonia está ligada à criatividade

Em seu estudo, o pesquisador da Northwestern University pesquisou 100 participantes que foram convidados a fornecer um certo numero de respostas em vários cenários improváveis ​​dentro de um período de tempo limitado.

Os pesquisadores monitoraram a forma como os participantes reagiram a vários ruídos e pediram-lhes que preenchessem um questionário de realização criativa antes de tirar suas conclusões.

Leia Também: 20 alimentos que devem ser evitados em casos de diabetes

De acordo com os autores do estudo, as respostas dos participantes revelaram um forte vínculo entre aqueles com as respostas e realizações mais criativas e aqueles sensíveis ao ruído de fundo. “O estudo mostrou que” maiores pontuações de pensamento divergentes estavam ligadas a um bloqueio sensitivo mais seletivo “.

Darya Zabelina, pesquisadora principal no estudo, explica:

“A propensão para filtrar ou ignorar informações sensoriais… acontece cedo e involuntariamente no processamento do cérebro, podendo ajudar as pessoas a integrarem ideias que estão fora do foco de atenção, levando à criatividade no mundo real.”

Curiosamente, os pesquisadores também examinaram os hábitos de “gênios criativos” como Charles Darwin, Anton Chekhov e o romancista Marcel Proust para comparar suas descobertas. Eles descobriram que muitas dessas pessoas maciçamente criativas também tinham uma forte aversão aos ruídos de fundo.

Proust, teve uma forte aversão aos ruídos que ele cobriu “seu quarto com cortiça para bloquear o ruído enquanto ele trabalhava”.

Darwin, Chekhov e Johan Goethe também lamentaram fortemente a natureza perturbadora do ruído. Mesmo Franz Kafka, um dos mais influentes romancistas do século 20, teria dito: “Preciso de solidão para minha escrita; não “como um eremita” – isso não seria suficiente – mas como um homem morto “.

Então, na próxima vez que você se aborrecer com alguém ao seu lado, empolgado comendo um pedaço de frango, ou mastigando suas batatas fritas, respire fundo e lembre-se de que você é mais criativo e provavelmente mais inteligente.

Nota: A Revista Saber Viver Mais divulga conteúdos populares de caráter, muitas vezes, não científico. Procure sempre profissionais da saúde para diagnósticos e tratamentos.

Traduzido e adaptado pela Equipe da Revista Saber Viver Mais
Fonte: Life Hack
Autor: David K. William

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS