pesquisa , realizada por cientistas do Pacific Northwest Research Institute, em Seattle, nos Estados Unidos, descobriu um mecanismo que revolucionou tudo o que consideramos até agora sobre a reprodução de células humanas: não é o espermatozoide que escolhe o óvulo, mas o contrário, ou seja, é o óvulo que aceita ou rejeita o espermatozoide de acordo com a carga genética do gameta masculino.

O óvulo e o seu papel ativo na reprodução

Para chegar a esses resultados, os pesquisadores passaram para um grupo de camundongos machos que tinham genes saudáveis ​​com dois grupos de camundongos fêmeas, um deles com genes saudáveis ​​e outro com genes manipulados para desenvolver câncer.

Numa primeira fertilização, os resultados mostraram o que os cientistas esperavam: os descendentes tinham genes aleatórios. Isto corrobora a primeira lei de Mendel, o que explica os princípios básicos da hereditariedade na prole e afirma que na reprodução, cada gameta recebe um ou outro gameta com o mesmo número de chances, garantindo uma representação equilibrada e estatisticamente previsível das variantes herdadas em cada geração.

No entanto, em uma segunda fertilização, em que a situação foi invertida, ou seja, um grupo de camundongos fêmeas com genes saudáveis foi cruzado com um grupo de machos portadores do gene mutante, observou-se que apenas 27% dos filhotes apresentaram o gene potencialmente prejudicial do pai. Esse resultado contradiz a lei de Mendel, segundo a qual 75% dos filhos tiveram que nascer com variação genética.

Segundo os pesquisadores, isso mostra que a reprodução não é aleatória, mas é determinada pela escolha feita pelo óvulo do esperma, um fenômeno que eles chamavam de “fertilização geneticamente tendenciosa”. Em outras palavras, o óvulo não tem um papel passivo na reprodução, como pensamos, e a fertilização também não é um processo meramente aleatório.

O mais interessante é que este não é o único estudo que revelou o caráter ativo do óvulo na fertilização. Outra pesquisa, desta vez realizada por especialistas do Imperial College de Londres, no Reino Unido, em colaboração com outras universidades, descobriu que a fecundação a nível celular também está intimamente relacionada com a bioquímica do óvulo e do espermatozoide.

Bioquímica: A base da união entre o óvulo e o espermatozoide

Os cientistas sabiam que um espermatozoide é capaz de “reconhecer” um óvulo quando as proteínas que fazem parte de sua cabeça são encontradas com uma cadeia de açúcares específicos que integram o revestimento externo do óvulo, um fenômeno que eles chamam de “óvulo pegajoso”. Portanto, no estudo publicado na revista Science, foi dada a tarefa de avaliar o papel de diferentes moléculas de açúcar que revestem o ovo durante o processo de adesão do espermatozoide.

Os resultados mostraram que existe um tipo específico de molécula de açúcar que é encontrado no revestimento externo do óvulo e que é responsável por facilitar a adesão do esperma ao óvulo e sua conseqüente fertilização, uma seqüência conhecida como sialil-lewis-x (SLex ). Segundo os pesquisadores, essa seqüência de açúcares é o que possibilita que o esperma se aproxime do óvulo e transmita sua carga genética.

Certamente é uma descoberta muito interessante porque não só revela como reprodução humana funciona, mas também poderia explicar alguns casos de infertilidade e oferecer soluções alternativas para o tratamento.

Via:Revista Saber e Saúde

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS