O filme sul-coreano “Parasita”, ao mesmo tempo suspense e sátira ácida sobre as desigualdades sociais, conseguiu quebrar as barreiras linguísticas e obter imenso sucesso em todo o mundo, até conquistar quatro prêmios no Oscar, inclusive o de melhor filme.

É uma consagração para “Parasita”, primeiro filme coreano premiado no Oscar. Coroação excepcional de um ano de 2019 que marcou o centenário do cinema coreano.

Primeiro, seu diretor Bong Joon-ho recebeu a estatueta de melhor roteiro original. Em seguida, a produção foi coroada melhor filme internacional, ele próprio recebeu o Oscar de melhor diretor e, finalmente, para surpresa de todos, o Oscar de melhor filme.

O trabalho de Bong Joon-ho já havia vencido a Palma de Ouro no Festival de Cannes do ano passado e o Globo de Ouro de “melhor filme em língua estrangeira” em janeiro, dois prêmios de prestígio que já constituíam a primeira vez para um filme sul-coreano.

“Parasita” também foi o primeiro filme em língua estrangeira a receber o prêmio de melhor elenco, o mais popular do Screen Actors Guild, além de dois prêmios Bafta do cinema britânico.

Se este longa-metragem conquistou uma audiência internacional “é porque aborda problemas comuns a todas as sociedades”, explica Jason Bechervaise, professor da Universidade Sul-Coreana de Soongsil Cyber.

“Existe muita raiva política em todo o mundo, e é agravada por um sentimento palpável de crescente desigualdade social. A palavra ‘parasita’ realmente se encaixa nisso”, disse ele à AFP.

– Pobreza e riqueza “indissociavelmente ligadas” –

“Os ricos são parasitas dos pobres, como os pobres são dos ricos”, resume.

O sucesso internacional desse trabalho, especialmente nos Estados Unidos, é ainda mais notável, pois o idioma inglês domina o cinema internacional e o êxito de filmes em outro idioma que não o inglês é raro.

Na França, “Parasita” se tornou o filme vencedor da Palma de Ouro mais visto nos cinemas dos últimos 15 anos.

Durante a cerimônia do Globo de Ouro, Bong – que assina seu sétimo filme – falou aos espectadores americanos: “Depois que superarem a barreira das legendas, vocês se abrirão para muitos outros filmes incríveis”.


Para Bao Nguyen, diretor vietnamita-americano, o Oscar de Bong é “um exemplo a seguir para futuros cineastas asiáticos e americanos”.

“Parasita” é um filme “profundamente enraizado em sua representação da sociedade coreana, e de maneira alguma cedeu às expectativas de uma audiência estrangeira”, disse ele à AFP.
Fonte : Istoé

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS