De Constanza Suárez

Uma equipe de médicos sul-africanos foi pioneira no campo da medicina após realizar o primeiro transplante de ouvido médio 3D, em um paciente na capital, Pretória.

Ouvido médio

ouvido médio é a porção interna do tímpano, e externo da cóclea, ambos localizados no ouvido. O ouvido médio contém três ossículos, que amplificam a vibração do tímpano com ondas de pressão no fluido do ouvido interno. O espaço oco do ouvido médio é também chamado de caixa timpânica.

Tecnologia 3D

Eles usaram tecnologia de impressão 3D para reconstruir os ossos quebrados do ouvido médio, eles celebram como uma solução a longo prazo para a perda auditiva condutiva.

Além disso, a cirurgia pode ser realizada em pessoas de qualquer idade, incluindo bebês recém-nascidos, curando pacientes com surdez causada por dano físico ou infecção no ouvido médio, bem como defeitos congênitos de nascença e doenças metabólicas.

Primeiro Paciente

O primeiro paciente a ser submetido ao procedimento foi um homem de 35 anos que perdeu a audição após um acidente de carro que destruiu seu ouvido médio. Devido à natureza de seu trauma, a operação durou cerca de uma hora e meia, segundo a Legit.

Os médicos por trás dessa conquista fantástica fazem parte do Hospital Acadêmico Steve Biko, da Universidade de Pretória . O professor Mashudu Tshifularo estuda a perda auditiva condutiva há 10 anos, mas nos últimos dois anos começou a investigar o uso de tecnologias de impressão 3D.

Em comunicado, o Departamento de Saúde da África do Sul, Tshifularo falou sobre as vantagens deste procedimento: “Ao substituir apenas os ossículos que não funcionam corretamente, o procedimento acarreta um risco significativamente menor do que as próteses conhecidas e procedimento cirúrgico associado. Titânio utilizado para este procedimento, o qual é biocompatível. Usamos um endoscópio para substituição, de modo que o transplante é  rápido, com cicatrizes mínimas.

Enquanto ele se orgulha de ter sido o primeiro no mundo para revolucionar os métodos de luta contra a perda de audição, Tshifulara está convencido de que o tratamento deve tornar-se acessível aos pacientes e trabalhadores pobres , como os eles freqüentam hospitais públicos na África do Sul, como disse à emissora de rádio local Jacaranda FM.

Ele espera que ele e sua equipe no Departamento de Otorrinolaringologia da universidade recebam os recursos necessários do governo e de patrocinadores privados para garantir que essa abordagem inovadora possa estar disponível para todos.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS