Por: Redação da Revista Saber Viver

O teste procura biomarcadores metabólicos, que são mais altos em pacientes com maior probabilidade de viver. Embora alguns neguem, a morte é um dos grandes medos dos seres humanos. Saber o que há na outra dimensão ou se realmente existem seus entes queridos que você perdeu ao longo do caminho parece tão tentador quanto misterioso. Gostaria de saber quanto tempo você dará o passo para o além?

Cientistas alemães criaram um exame de sangue que nos permite prever a probabilidade de morte nos próximos 10 anos devido a doença. É 83% eficaz. Os especialistas analisaram 44 mil pacientes e detectaram 14 biomarcadores que afetariam o risco de morte.

A metodologia não foi implementada em uma amostra convencional, mas seus propulsores esperam que um dia ela possa ser usada para orientar o tratamento de uma pessoa, como avaliar se uma pessoa pode resistir à cirurgia.

Os responsáveis ​​por tornar esse exame possível são os acadêmicos do Instituto Max Planck de Biologia do Envelhecimento , que comentaram à revista Nature Communications Magazine que é muito complicado prever se um paciente morrerá na próxima década. Até agora, ele só pode ser projetado medindo a pressão arterial e os níveis de colesterol.

Eles analisaram o sangue de milhares de adultos entre 18 e 109 anos de idade. Todos eram descendentes de europeus e foram realizados em 12 estudos existentes.

A equipe procurou biomarcadores metabólicos, que foram maiores naqueles que viveram mais tempo.

A Dra. Amanda Heslegrave, pesquisadora do Instituto de Pesquisa em Demências do Reino Unido da University College London , disse ao Daily Mai como é importante encontrar essas partículas para o estudo.

Os biomarcadores nos fornecem informações importantes sobre o que está acontecendo na saúde e na doença.

Os grandes números do estudo são bons e também o fato de terem um grande número de resultados, neste caso a mortalidade, torna os dados mais viáveis.

Embora este estudo mostre que esse tipo de perfil pode ser útil, eles apontam de maneira importante que mais trabalho seria necessário para desenvolver uma pontuação de nível individual que seria útil em situações da vida real. Portanto, é um passo emocionante, mas ainda não está pronto.

Embora ainda não esteja em condições de ser disponibilizado em todo o mundo, este é um grande passo para determinar os anos que nos restam. Se você pudesse optar por este exame, gostaria de saber quanta vida resta?

Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS