Compostos encontrados dentro do veneno da abelha podem ajudar a combater formas agressivas de câncer de mama sem colocar em risco as células saudáveis, descobriu um estudo clínico.

Especialistas da University of Western Australia usaram veneno de 312 abelhas encontradas em Perth , Western Australia, Irlanda e Inglaterra como parte da pesquisa.

A equipe testou os efeitos do veneno em diferentes tipos de câncer de mama que têm tratamento limitado – eles descobriram que ele destruiu rapidamente tumores e células cancerosas.

Antes deste estudo, ninguém havia comparado os efeitos do veneno da abelha ou de um componente do veneno chamado melitina em tipos de células cancerosas e normais.

Os pesquisadores conseguiram extrair a melitina do veneno, recriá-la e, em seguida, usá-la para matar até 100 por cento das células cancerosas, sem afetar as células normais.

Ele foi capaz de ‘seletivamente e rapidamente’ reduzir a viabilidade do câncer de mama triplo-negativo ‘, bem como de outras células cancerosas.

A pesquisadora principal, Dra. Ciara Duffy, disse que a melitina nas concentrações certas pode ser usada para destruir completamente as membranas das células cancerosas em 60 minutos.

A melitina no veneno da abelha também teve outro efeito notável; em 20 minutos, foi capaz de reduzir substancialmente as mensagens químicas das células cancerosas que são essenciais para o crescimento e divisão celular das células cancerosas.

“Observamos como o veneno da abelha e a melitina afetam as vias de sinalização do câncer”, disse Duffy.

Essas vias são as mensagens químicas fundamentais para o crescimento e a reprodução das células cancerosas – as vias de descoberta foram rapidamente fechadas com a melitina.

“A melitina modulou a sinalização nas células do câncer de mama suprimindo a ativação do receptor que é comumente superexpresso no câncer de mama triplo-negativo”, explicou Duffy.

“Ele suprimiu a ativação de HER2, que é superexpressada no câncer de mama enriquecido com HER2”, disse ela.

O cientista-chefe da Austrália Ocidental, Professor Peter Klinken, descreveu a síntese da melitina como “incrivelmente excitante”.

“É outro exemplo maravilhoso de onde os compostos da natureza podem ser usados ​​para tratar doenças humanas”, disse ele.

Texto originalmente publicado no Daily Mail, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS