Muitos anos atrás, em um mosteiro distante no Tibete, morava um jovem que aspirava se tornar monge.

Ele teve um grande desejo de aprender, então quando um dia seu mestre lhe disse que iriam fazer uma viagem, o jovem preparou com grande entusiasmo.

Eles caminharam por vários dias, até chegarem a uma aldeia onde vivia uma família muito humilde. Pediram acomodação e comida. A família os acolheu e compartilhou com eles tudo o que tinham. O suposto monge perguntou-lhes como eles subsistiam.

O pai disse: “Temos uma vaca que nos dá tudo o que precisamos: leite e queijo. Então, guardamos o que não consumimos para outra refeição. Assim, subsistimos.

À noite, o monge disse ao discípulo: “Aproveite o fato de todos estarem dormindo, vá ao curral e solte a vaca”.

O jovem protestou: “Como eu vou fazer isso? A vaca é a única coisa que eles têm, é o seu meio de vida! ”

O monge não disse nada, virou-se e dormiu.

O jovem passou várias horas pensando, mas, como ele respeitava muito o mestre, ele foi e soltou a vaca do curral.

O jovem ao amanhecer estava tão culpado que deixou a casa, o desencanto também impediu que ele voltasse ao mosteiro. Ele não queria mais ser monge.

Ele passou dias viajando e pensando na pobre família que ele havia deixado sem seu sustento. Propôs-se a trabalhar duro, poupar o suficiente e comprar uma vaca para compensar o dano que causou.

No entanto, as vacas eram caras, levou vários os anos até conseguir dinheiro suficiente para comprar uma vaca. Então ele voltou para a aldeia e, para sua surpresa, viu um hotel encantador onde a humilde morada costumava ser.

Ele se aproximou do homem que estava sentado na varanda e perguntou: “Com licença, onde está uma família muito humilde que tinha uma vaca e vivia aqui alguns anos atrás?”

O homem olhou para ele e disse: “Somos nós”.

Ele olhou com incredulidade e perguntou: “Mas … como vocês prosperaram tanto?”

O homem disse: “Bem, olhe, um dia, a vaca em que moramos desapareceu. No começo, estávamos muito preocupados, de como iriamos sobreviver? Então começamos a pensar.

Vimos que a nossa terra era muito boa para plantar vegetais, cultivamos um jardim que floresceu e deu frutos imediatamente.

Trocamos alguns vegetais por outros alimentos e vendemos o resto. Com o dinheiro que ganhamos, compramos gado e vendemos, e com esse dinheiro conseguimos expandir a casa e alugar quartos … Você vê, agora somos os proprietários do único hotel da cidade!

Esta história tem várias lições, uma delas refere-se ao fato de que em muitas ocasiões, a melhor ajuda que podemos dar é incentivar as pessoas a deixar sua zona de conforto.

Às vezes, devemos evitar a comiseração que convida os outros a permancerem na adversidade. Outras vezes, só o fato de ficarmos afastados também estamos ajudando.

Quando o “salvador” se torna uma vítima do “salvo”

Às vezes, quando se adota o papel de “salvador” pode ser muito prejudicial para os outros. Ajudar sem ser perguntado pode ser um erro grave porque, embora estejamos motivados por um sentimento de generosidade autêntica, estamos limitando a chances de aprender e crescer.

Isso ajuda a gerar um relacionamento de dependência em que uma das pessoas se sente tão confortável que não faz nada para melhorar.

Nessa relação, o salvador dá continuamente, até ser drenado fisicamente e psicologicamente, enquanto aquele que é salvo está limitado a aceitar.

Desta forma, cria-se um equilíbrio insalubre em que o salvador carrega um duplo peso, o dele e o da outra pessoa.

O pior de tudo é que, em muitos casos, quando o salvador tenta se livrar do peso que não corresponde, eles podem pensar nele como egoísta e não muito empático. Esse sentimento de culpa irá mantê-lo carregando o peso do outro.

Portanto, não é incomum que o “salvador” acabe se tornando vítima do “salvo”. No entanto, é uma situação em que ninguém ganha, nem mesmo a outra pessoa, porque ao impedir que ele faça um esforço estamos restringindo sua liberdade e a possibilidade de atingir grandes objetivos através de seus próprios esforços.

É essencial para não alimentar tais relações como as pessoas “salvas” se tornar passivo e, em alguns casos, até mesmo egoístas, pensando que eles têm o direito eo controle sobre seu “salvador”.

Não intervir também está ajudando

O segredo é ajudar os outros quando eles realmente precisam de ajuda e peçam por isso, não só quando eles querem isso. Em muitos casos, ter a ajuda de alguém pode ser mais fácil, mas isso não implica que seja o melhor caminho ou o que mais informa a longo prazo.

Alguém em condição vulnerável precisa da nossa ajuda, mas apenas até certo ponto. O objetivo deveria ser tentar fazer com que essa pessoa conseguisse se defender, para que ele continue caminhando com seus próprios pés.

O que nunca devemos fazer pelos outros é tirar a responsabilidade que eles têm com suas vidas. Podemos ajudá-los a carregar seu peso por um certo tempo, ou ensiná-los a usá-lo melhor, mas não podemos carregá-lo eternamente em seu lugar.

Ajudar uma pessoa não significa adotá-la para toda a vida. E isso se aplica a casais, bem como a crianças e amigos. Uma relação em desenvolvimento é aquela que nutre e enriquece, e não aquela que limita.

A validação emocional, a chave para ajudar a crescer

A chave para ajudar outras pessoas é manter um relacionamento caracterizado por presença plena e aceitação incondicional. Não se trata de virar as costas e negligenciar seus problemas, para que você os resolva como você pode, mas para validar seus sentimentos e dar incentivo.

Às vezes, um abraço, ou o simples fato de saber que alguém está lá para pegar as peças quebradas é mais que suficiente.

Isso significa que, em muitos casos, nossa ajuda será limitada a um processo de acompanhamento emocional, enquanto a pessoa toma suas decisões, compromete seus erros, os modifica e avança.

Nota: A Revista Saber Viver Mais divulga conteúdos populares de caráter, muitas vezes, não científico. Procure sempre profissionais da saúde para diagnósticos e tratamentos.

Traduzido e adaptado pela Equipe da Revista Saber Viver Mais
Fonte: Rincon Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS