Eles são do Colorado, Estados Unidos e reinventaram um novo significado para a palavra “determinação”. Como um não pode andar e o outro não pode enxergar, eles se uniram para compartilhar seu amor pela natureza e por caminhar ao ar livre.

Melanie Knecht nasceu com espinha bífida, então ela usa uma cadeira de rodas para se locomover. Trevor Hahn só recentemente ficou cego depois de ter contraído glaucoma há cinco anos. Ambos moram em Fort Collins, Colorado, os dois se conheceram em uma aula de boxe adaptado – e logo se encontraram novamente em uma aula adaptada de escalada.

Eles imediatamente se uniram ao hobby de acampar de Knecht e à paixão de Hahn por esportes ao ar livre. Quando ela contou a ele sobre sua recente viagem à Ilha de Páscoa, onde teve a oportunidade de ser carregada nas costas de outra pessoa, foi um momento “eureka”.

Mesmo que sua visão tenha sumido, ele conseguiu escalar um pico do Himalaia, usando postes e instruções faladas de seus companheiros.

Eles já deram os primeiros passos, mas a meta no mês que vem é caminhar e escalar uma montanha de 14.000 pés.

“Parecia senso comum”, disse Knecht ao Good Morning America . “Ele é as pernas, eu sou os olhos – boom! Juntos, somos o time dos sonhos”.

Parceria

No início de cada caminhada, um amigo levanta Knecht em uma cadeira adaptada nas costas de Hahn. Daquele ponto em diante, ela lhe dá instruções verbais para navegar na trilha. Desde fevereiro, eles têm compartilhado suas aventuras de caminhadas no Instagram .

View this post on Instagram

We have officially set a date and picked a 14er (but are keeping it a secret🤐😉)! With one month to go, we are training and preparing as much as we can! 💪🏼🧠 Guiding Trevor has become more natural/easier, and Trevor is building up his strength carrying Melanie. Many people stopped to stare at us on this beautiful trail specifically, probably a little confused and definitely curious.🤔 This is nothing new for Mel, and doesn’t bother Trevor obviously 😂, but we love making new friends, so if you see us on the trails, please say “hello👋🏼”! Part of sharing this journey is creating a safe space to ask ability-related questions, which we are more than willing to discuss. FYI, most handicapable people would rather be asked a seemingly uncomfortable question, than have (most likely) false assumptions made about them. If there’s anything you’re dying to know, ASK!🏔🥾👀 #hikingwithsight • • (Image description: Trevor and Melanie smiling on the Twin Sisters Trail with big boulders, surrounded by pine trees, under blue skies, with Mount Meeker and Longs Peak being majestic in the background)

A post shared by Trevor & Melanie (@hiking_with_sight) on

“Fiquei muito feliz em ajudar alguém a experimentar o que eu pude experimentar toda a minha vida”, disse Hahn ao GMA. “A melhor parte é poder fazê-la sorrir – isso me dá propósito.”

Além desse senso de propósito, os dois compartilham uma compreensão de quão difícil pode ser pedir a pessoas fisicamente capazes ou com visão para assistência na vida cotidiana. Eles obtêm uma satisfação incomensurável de poder fazer isso sozinhos.

“Esse é o espírito humano”, disse Hahn à revista Outside . “Se você quer muito algo e encontra a pessoa certa,  que também quer o que você quer , então você pode fazer qualquer coisa.”

View this post on Instagram

Hello, friends! We are Trevor and Melanie AKA Hiking with Sight, and together we are going to hike a 14,000 foot mountain in our beautiful home state of Colorado. In 2013, Trevor lost his vision to glaucoma, but has since been guided up mountains all over the world using a bell/voice system. Melanie, born with spina bifida, uses a wheelchair to get around. Trevor and Melanie became friends through their love of adaptive sports, which gave them the idea of utilizing both of their strengths to get outside! Melanie is the eyes of the operation, guiding Trevor as he hikes with Melanie on his back! Stay tuned to see how we creatively overcome challenges and summit mountains! #hikingwithsight #noeyesnolegsnoproblem

A post shared by Trevor & Melanie (@hiking_with_sight) on

Enquanto os dois aceitam que os outros apreciem o que eles foram capazes de fazer, eles não estão procurando elogios – eles só querem que outros encorajem soluções inclusivas e adaptativas para seus amigos com deficiências.

“Não os inclua porque você acha que eles não serão capazes de fazer alguma coisa.”

Texto originalmente publicado no Good News Net Work, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS