Militares do Batalhão de Emergências Ambientais e Respostas a Desastres (Bemad) do Corpo de Bombeiros vão atuar no socorro às vítimas do ciclone Idai, que afetou aproximadamente 1,85 milhão de pessoas em Moçambique. O número de mortos já ultrapassa 500. Os bombeiros atuaram nas buscas por vítimas da tragédia de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros confirmou que militares mineiras irão atuar nos resgates em Moçambique. Porém, não confirmou o número de homens e mulheres que viajarão ao país, e nem o dia em que vão embarcar.

Os bombeiros do Bemad atuam em situações complexas de incêndios florestais, buscas e salvamentos em desmoronamentos e soterramentos, ocorrências com cães adestrados, produtos perigosos, enchentes e inundações. Eles fizeram parte das operações de buscas em Mariana, na Região Central de Minas, em 2015 quando a Barragem do Fundão se rompeu.

Desde 25 de janeiro, os militares do Bemad atuam nas buscas por vítimas da Barragem  da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, da Vale. Já foram confirmadas 216 mortes no desastre. Outras 88 pessoas seguem desaparecidas.

Moçambique

A passagem do ciclone Idai deixou mais de 460 mortos em Moçambique. Estimativa das autoridades do país é que 1,85 milhão de pessoas foram atingidas. Nesta quarta-feira, foram confirmados casos de cólera. A doença se espalha pela contaminação da água ou comida por fezes. A enfermidade por causar mortes.

Via: Em.com

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS