Começaram a chegar os primeiros pacientes como sintomas do novo coronavírus ao hospital de Wuhan, que foi construído em apenas 10 dias. A cidade chinesa foi o marco zero da epidemia. O hospital possui 1.000 leitos e se chama Huoshenshan.

Até a manhã dessa segunda feira (3), a situação do vírus trouxe números alarmantes:

361 mortes na China;
1 morte nas Filipinas;
17.238 casos suspeitos na China;
148 casos suspeitos em outros países.

Construção impressionante!

Segundo a mídia estatal, os pacientes chegaram por volta das 10h (horário local) ao Hospital de Huoshenshan, porém não foram divulgadas as identidades ou o estado de saúde que os pacientes se encontram, de acordo com a agência Associated Press.

A estrutura realmente impressiona, são 25 mil metros quadrados construídos, lembrando que o hospital começou a ser construído no dia 23 de janeiro. O canteiro de obras foi ocupado por cem tratores e quatro mil trabalhadores que se revezaram em três turnos de trabalho, de acordo com a agência Xinhua.

Segundo hospital em tempo recorde!

Outro centro médico está sendo construído em Leishenshan, com capacidade para 1.500 leitos, está em construção e deve ser inaugurado nos próximos dias.

Wuhan

Wuhan tem cerca de 50 milhões de habitantes que estão impedidas de deixar a cidade, que é capital da província de Hubei, e cidades vizinhas. Em dados atualizados já foram 360 pessoas que vieram a óbito e mais de 17 mil foram infectadas em diferentes partes do mundo.

Na quinta-feira (30), em meio à crise, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência internacional.

A pergunta: Como é possível uma construção tão rápida?

A China usa construções pré-fabricadas para abrigar centenas de leito. Como peças de encaixar, módulo a módulo, os hospitais vão sendo montados a partir das peças que chegam das fábricas ou de depósitos.

A emissora estatal chinesa CGTN, mostrou imagens de dezenas de tratores nivelando o solo para receber os blocos pré-fabricados. Enquanto os primeiros módulos eram montados, operários preparavam a rede elétrica do novo local.

Com informações:G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS