Diversos setores de autoridades chinesas e organizações civis ordenaram que moradores renunciassem a animais de estimação. Por ser um vírus zoonótico, ou seja, pode ser transmitido entre humanos e animais, o novo coronavírus chinês fez com que o governo agisse dessa maneira.

Em poucas semanas de infecção, mais de 200 pessoas morreram, segundo o MailOnline. Vilarejos, residenciais e empresas receberam e retransmitiram comunicados sobre o vírus e os animais. Uma vila de Hebei, por exemplo, pediu para que as famílias dessem fim aos animais de estimação em cinco dias. Foi usado o termo “lidar”. Caso contrário, as próprias autoridades “lidariam” com eles.

Em Shaanxi, os moradores foram instruídos a pensar na situação “de uma forma geral” e descartar cãoes e gatos imediatamente. Após um alerta vindo do principal especialista em doeças infecciosas do país, as coisas começaram a tomar este rumo. Ele disse que animais domésticos também precisariam ficam em quarentena, caso fossem expostos a humanos doentes.

A Organização Mundial da Saúde, por outro lado, afirma que não viu nenhuma evidência do vírus sendo transmitida para cães e gatos.

Governos locais ameaçam matar animais que forem encontrados nas ruas
Em Wuhan, sem dúvida considerado o epicentro do surto, um bairro chegou a proibir que seus moradores deixassem cães, gatos e gado saírem suas casas. Em um aviso publicado na comunidade, as autoridades locais ameaçaram capturar, matar e enterrar os animais, caso encontrassem algum.

A cidade de Anshan, na província de Liaoning, pediu que todos os mercados de animais de estimação a parassem temporariamente com o comércio. Forças policiais foram instruídas a impedir que os residentes passeassem com seus cães de estimação em público.
Fonte:Dailymail

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS