Se você está na Internet há alguns meses, certamente já encontrou uma ou duas fotos bastante tristes. São fotos de praias ou oceanos, recobertos pelo acessório de plástico que marcou este ano .

É verdade que as máscaras têm sido a ferramenta mais eficaz na luta contra o coronavírus. Mas, ao mesmo tempo, o fato de as pessoas se preocuparem em usá-los apenas aos poucos, produziu um enorme problema ambiental. A maioria das máscaras era de polímero plástico com outros materiais, uma mistura bastante difícil de decompor.

Por isso, para evitar a propagação deste incômodo vírus, tivemos que deixar de lado durante este ano os valiosos esforços que estavam sendo realizados para retardar o avanço das letais mudanças climáticas. O problema é que não medimos as consequências do que fizemos. É verdade que o COVID-19 era uma ameaça mais premente, mas o dano ao meio ambiente é algo que vai nos complicar por muito mais tempo e que será mais difícil de resolver.

Assim como na luta contra as mudanças climáticas, depende dos maiores cérebros do planeta encontrar as soluções que todos buscamos. Nesse caso, produzir uma máscara alternativa que consiga prevenir infecções, além de não significar danos ao meio ambiente.

Como costuma acontecer, a solução era mais simples do que parecia. De acordo com relatório do Fórum Econômico Mundial , existe um material relacionado à bananeira, nativa das Filipinas, que traz a solução para esse problema.

É uma fibra grossa, além de mais fácil de processar e mais barata de criar do que uma máscara de plástico, também é totalmente biodegradável.

De acordo com especialistas, essas novas máscaras feitas nas Filipinas levam apenas dois meses para se tornarem parte da Terra novamente. A verdade é que dois meses não se comparam aos duzentos anos que o plástico leva para retornar ao seu estado natural. E isso se estiver na condição correta.


@tyratoyado

Uma solução como essa deve ser celebrada em todo o mundo. Ajude-nos a compartilhar as novidades, para que todos saibam que, com um mínimo esforço, podemos parar o COVID-19 e continuar a fazer a nossa parte na luta contra o aquecimento global.

Texto originalmente publicado no UPSOCL livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS