Por: Evaldo D. Bosio Filho

Os músculos da região cervical são responsáveis por sustentar a cabeça, auxiliar na movimentação dos ombros e braços e ainda servem como músculos acessórios na respiração.

Esse acúmulo de funções somado ao estresse e tensão cada vez mais frequentes no dia a dia, fazem com que eles entrem em um estado de sobrecarga e fadiga excessivos. As consequências disso podem ser uma sensação aumentada de peso nos ombros, dificuldade para movimentar o pescoço e em casos mais extremos desencadear dor.

Em situações de medo, tensão e estresse excessivo os músculos da região posterior do corpo, responsáveis por manter a postura ereta entram em um estado de tensão aumentada. Essa contração é involuntária e surge como resposta a esses estímulos externos, formando nódulos doloridos, os chamados pontos gatilhos ou pontos de tensão.

Com a presença desses nódulos, forma-se um ciclo de contração muscular que se mantém por muito tempo e gera dor nessa região, principalmente no pescoço.

Na tentativa de minimizar a dor, pequenos vícios e alterações posturais são adotados, porém eles podem vir a contribuir para manutenção do quadro doloroso, podemos atribuir a essa condição o termo cervicalgia tensional.

Outra situação que pode causar dor e tensão na região são as chamadas cervicalgias mecânicas, muitas delas causadas por lesões e traumas nos discos intervertebrais presentes na coluna cervical.

Essas lesões são classificadas conforme sua severidade; abaulamento discal, protusão de disco e hérnia de disco ou hérnia discal. Os sinais e sintomas são parecidos ? dores na região cervical, associado com nódulos de tensão na região dos ombros e dores irradiadas para os braços.

Amenizando a dor cervical

É fundamental que a pessoa tenha cuidados com sua postura, evitando sentar de forma inadequada, passar longos períodos na mesma posição, levantar e/ou transportar objetos pesados de forma inadequada. Muitas vezes o estresse e tensão fazem com que a pessoa se alimente mal e não tenha uma boa noite de sono, por isso é importante também cuidar da postura na hora de dormir.

Leia também: 10 coisas que acontecem com seu corpo se você caminhar todos os dias

O mais indicado é deitar-se de lado, mantendo um travesseiro entre as pernas e um segundo travesseiro na região do pescoço. Ele deve apresentar altura adequada para que o pescoço não se incline para cima ou para baixo, mantendo-o em posição neutra.

Quando a pessoa não apresenta histórico de traumas ou lesões na região é evidente que ela está sofrendo de estresse e tensão muscular, sendo assim alguns auto alongamentos e automassagens são indicadas.

Rode a cabeça para o lado direito e em seguida incline levemente a cabeça para frente. Com a mão direita, faça uma leve pressão para alongar os músculos que ficam à esquerda do pescoço. Pode-se fazer esse alongamento de três a quatro vezes por dia, com três séries de 30 segundos de cada lado.

A pessoa deve fazer inclinar levemente a cabeça para frente e com as mãos na parte de trás fazer uma leve pressão para alongar os músculos desta região. Pode-se fazer esse alongamento de três a quatro vezes por dia, com três séries de 30 segundos de cada lado.

Automassagem

A pessoa pode localizar o ponto doloroso e com a polpa dos dedos realizar pequenas pressões e movimentos circulares sobre o local de dor para minimizar a tensão.

Também é indicado durante o banho deixar a água morna cair sobre a região e aplicar a automassagem. Pode-se realizar essa automassagem de três a quatro vezes por dia, por até um minuto em cada região.

Esses auto alongamentos e automassagem são indicados apenas para pessoas com dores desencadeadas por tensões ou estresse, pessoas com lesões na coluna, como hérnias de disco, protusões discais, traumas, entre outros, devem sempre procurar um profissional para avaliar sua real condição antes de fazer qualquer tratamento por conta própria.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Fonte:Minha Vida

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS