Ele já se aposentou há muitos anos, mas continua trabalhando. Trata-se do médico Luis Schapira, hoje com 91 anos. É médico há 67 anos, e se aposentou formalmente há 27. Porém, todas as manhãs, ele atende gratuitamente no Hospital Fernández, um hospital público de Buenos Aires.

Talvez ele nem tenha visto quando uma usuária do Twitter tirou uma foto dele esperando o elevador apoiado em sua bengala.

“Quando você quiser saber o que é a vocação, lembre-se deste médico aposentado que continua vindo ao hospital voluntariamente”, escreveu @VayaAspirina.

A neta do senhor Luis viu a foto no Twitter e comentou: “Meu avô. 91 anos. A melhor pessoa do mundo, sem dúvidas”.

A história viralizou e um jornal fez uma entrevista com o médico.

“Continuo indo [ao hospital] porque amo a Medicina e o hospital público. Gosto de aprender, embora saiba que me restam poucos anos para trabalhar. Continuo estudando e adoro ouvir os jovens a quem me dirigi quando fizeram a residência. As manhãs são os momentos mais lindos dos meus dias”, disse o senhor Luis ao jornal La Nación.

Depois da publicação, outras histórias semelhantes surgiram nas redes sociais. “Meu pai, que é psiquiatra com quase 86 anos, continua atendendo gratuitamente no Hosp. Penna. Só deixou de ir dois meses ou menos depois de uma cirurgia de urgência. Vocação pura”, escreveu uma usuária com o nome de Silvina.

Médicos apaixonados pela profissão, que mesmo depois da aposentadoria decidem continuar ajudando o próximo porque sabem que tantos anos de conhecimento e experiência ainda podem dar frutos, são encontrados em várias partes da Argentina e do mundo.

A paixão pela profissão parece estar na alma, não há outra explicação para algo tão abençoado quanto a vocação, que, em muitos casos, transcende os anos de remuneração que a profissão permite.

Fonte:Redaccionmedica
Traduzido e adaptado livremente

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS