O anuncio feito pelo Ministério da Educação (MEC) nesta quarta-feira, suspendeu 3.474 bolsas de pós-graduação.

O aluno de doutorado da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Túlio Macedo Lima, é mais um dos 3.474 estudantes prejudicados com o bloqueio nas bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Ocorreu que para Túlio cursar o doutorado ele teve que abdicar da bolsa de mestrado que ele tinha, com isso ele acabou ficando sem auxílio nenhum, porque com o bloqueio imposto pelo MEC às bolsas consideradas ociosas, não estão sendo pagas desde abril.

Projeto Zika

Túlio gasta aproximadamente 3 horas do seu dia em deslocamento de casa até o Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares da UFRJ.

O principal projeto de pesquisa e o desenvolvimento de uma nova vacina contra o vírus da Zika, em paralelo ele também estuda um novo tipo de imunização contra febre amarela, que terá menos efeitos colaterais e poderá ser produzida mais rápida.

Túlio falou que mesmo com a falta da bolsa, diz não pretender abandonar o projeto de pesquisa de vacinas contra zika e febre amarela na UFRJ.

“Eu pretendo aguardar pelos próximos meses, mas é inviável continuar no doutorado por três anos sem bolsa”, afirma Túlio.

Sem a remuneração da bolsa Túlio diz conseguir trabalhar no máximo mais seis meses, depois disso se a situação ainda não estiver resolvida e não ter acesso a uma bolsa do Capes, ele terá só duas alternativas para prosseguir com a pesquisa: Adequar o projeto para pedir financiamento de empresas ou mudar-se para o exterior.

“O projeto já está bem avançado e a gente acredita que ele é fundamental para a saúde pública. Me mudar para outro país e continuar a pesquisa em outra universidade seria ruim porque meus colegas teriam que assumir as etapas pelas quais eu sou responsável, o que atrasaria todo o processo aqui no Brasil”, explica.

Apesar do contratempo, o estudante afirma que não está espantado com o corte de bolsas da Capes. “Foram tantos acontecimentos seguidos, como o corte aos orçamentos das universidades federais, que a gente fica só triste, nem dá para ficar surpreso”, avalia.

Entendendo como funciona o Capes

A Capes é uma fundação do MEC responsável por avaliar os cursos de pós-graduação, divulgar as informações científicas, promover a cooperação internacional e fomentar a formação de professores para a educação básica.

Criada em 1951, oferece ao todo quase 200 mil bolsa de estudo em 49 áreas de estudo para universitários da rede pública e privada: são 92.253 bolsistas na pós-graduação (no Brasil e no exterior) e 107.260 bolsistas de programas de formação de professores da educação básica.

O valor das bolsas dos pós-graduandos do Capes são em média de R$ 1,5 mil para o mestrado e de R$ 2,2 mil para o doutorado. O valor não sofre variação de acordo com a região é fixo para todo o país.

Atualmente há 10 programas ativos da Capes em que o estudante pode solicitar bolsa. O pedido pode ser feito junto à universidade ou direto na Capes.

Com informações:G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS