Depois de revelar, no fim de maio, que havia passado por uma cirurgia para retirada de um tumor de mama, a apresentadora Ana Furtado segue compartilhando sua rotina contra a doença.

Na terça-feira (12), ela postou uma foto no Instagram mostrando os bastidores da quimioterapia e falando sobre o procedimento que faz para evitar a perda dos cabelos, a crioterapia.

A técnica consiste em resfriar o couro cabeludo durante as sessões de quimioterapia, levando à contração dos vasos sanguíneos e protegendo os folículos capilares.

Essa técnica é indicada para alguns pacientes, consiste no resfriamento do couro cabeludo com a finalidade de impedir que as drogas usadas na quimioterapia cheguem até o couro cabeludo provocando a queda dos fios, explica Taiana Saraiva, coordenadora assistencial da Oncologia do Hospital Moinhos de Vento.

— Vulgarmente explicando, no momento que uso a touca congelada, há uma vasoconstrição e a droga não chega ao bulbo capilar. Assim, preserva essas células.

A técnica chegou ao Brasil em 2016, mas faz sucesso há mais tempo no mundo e é mais comumente usada para atletas em recuperação muscular. No caso de mulheres com câncer, a preservação dos fios pode ajudar a auto-estima: “Pesquisas dão conta de que esta técnica preserva entre 70 a 100% dos fios”, como ressalda o médico Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologia.

Leia mais: A moda do glúten – por Dr Drauzio Varella

Porém Dr Daniel Gimenes, diz que a crioterapia não é uma forma de tratamento do câncer. “É uma forma de preservação da autoestima do paciente neste momento delicado de tratamento. No caso de tumores de mama, é comum que as drogas mais eficientes para esse tipo de caso acabem danificando os folículos capilares ocasionando queda de cabelo”.

Por enquanto Ana Furtado diz que o tratamento está sendo eficaz. “É difícil, mas, até agora, eficiente. Só tenho a agradecer a todos os médicos pelas orientações, apoio e carinho comigo”, escreveu a apresentadora no Instagram nesta terça-feira (12).

Ontem fiz minha segunda sessão de quimioterapia. E a sensação é de que essa foi menos difícil do que a primeira. Volto a dividir detalhes com vocês porque, ao mesmo tempo em que me fortaleço com as palavras de carinho que recebo, acredito que posso também encorajar pessoas que estejam passando por situações tão difíceis quanto o diagnóstico de um câncer. Na foto, estou sendo preparada para a crioterapia. Trata-se de uma técnica que utiliza uma touca recheada com gel térmico, atingindo temperaturas negativas (-10º, no meu caso). Esse resfriamento no couro cabeludo é muito doloroso, mas reduz a quantidade de quimioterápicos que chegam até os bulbos capilares, diminuindo a queda de cabelos. Antes, é preciso encharcar a cabeça com água para depois colocar a touca. Foram 4 horas e meia com o equipamento na cabeça: meia hora antes do início da quimio e 2 horas após o término dela. É difícil, mas, até agora, eficiente. Só tenho a agradecer a todos os médicos pelas orientações, apoio e carinho comigo.🙏

A post shared by Ana Furtado (@aanafurtado) on

Informações: G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS