Na criação de filhos, por vezes, a falta de limites impostos pelos pais pode vir a jogar contra eles próprios.

Quando você se encontra diante do momento de educar seus filhos, você tem muitas dúvidas, especialmente quando se trata de marcar os limites. Pode acontecer que você tenha dúvidas e sinta que não é um bom pai ou mãe quando toma certas decisões para estabelecer seus padrões. Algumas das perguntas que você pode fazer são do tipo: Estou fazendo certo? Eu tomei a decisão certa? Por que sinto que minha decisão não é a correta?

O que é e não é um limite?

Muitos pais vêem os limites como algo negativo porque pensam que, ao colocá-los, não levam em conta a opinião de seus filhos, mas o limite de palavras nada mais é do que ensiná-los. Estabelecer limites não significa que você fique zangado com seus filhos; o que você está fazendo é ajudá-los a aprender alguma coisa.

Quando você estiver fazendo o árduo trabalho de educar, mais de uma vez, você terá que dizer “não” para coisas que você acha que não pode fazer ou deveria fazer, e desta forma, você ensina a criança que nem sempre as coisas não são alcançadas no momento que se quer. A educação também significa que certos comportamentos ou decisões terão consequências que devem ser aceitas e corrigidas. Para aprender isto, não é necessário gritar com seu filho, simplesmente, mostre-lhe de uma maneira calma e clara o que você quer transmitir a ele e, claro, evite ameaças que você nunca realizará. É importante sempre cumprir o que for dito na frente das crianças.

Papai, você me compra esse doce?

Imagine que seu filho lhe peça para comprar um presente, mas você considera que não é a hora de fazê-lo, então diga a ele que não vai comprá-lo. Nesse momento, seu filho, cheio de raiva, começa a chorar e chutar. Você está envergonhado porque as pessoas estão assistindo, então, para parar de se comportar dessa maneira, você compra o doce. Seu filho para de chorar e você pode continuar com o que estava fazendo.

Com este exemplo, o que você quer mostrar é que, se você ceder ao pedido do seu filho, ele vai parar de chorar e você vai parar de sentir vergonha porque todo mundo estava te olhando, mas a criança aprende que se ela usar esse mesmo tipo de comportamento numa próxima vez, alguma coisa ele vai conseguir.

Patterson e sua armadilha de reforço negativo

Patterson explica muito bem o que mostramos no exemplo anterior e como é muito mais fácil para os pais cederem aos pedidos de seus filhos. Mas, você deve saber que, a longo prazo, esse tipo de comportamento será repetido com mais frequência e o problema será muito maior.

A armadilha do reforço negativo de Patterson explica que quando em situações como esta os pais cedem, pais e filhos, se sentem melhor, pais, porque fazem as crianças se acalmarem e não incomodar mais, e as crianças, porque conseguem o que querem , mas, desta forma, aumentam a probabilidade de que as birras sejam mais frequentes ao longo do tempo.

No curto prazo, obtêm-se resultados positivos, mas, a longo prazo, os resultados podem não ser tão bons porque a criança aprende a manipular seus pais através de tais birras e os usará com mais frequência. Outra consequência negativa será que o comportamento das crianças será incontrolável, a menos que consigam o que querem.

As conseqüências da falta de limites

Quando você não impõe limites aos seus filhos, eles geralmente não toleram frustrações, têm dificuldade em se controlar e não cumprem muito bem as regras; Eles tendem a manipular os outros e fazem com que se sintam mal por conseguir o que querem. Eles tendem a ser impertinentes, exigem privilégios, não são constantes nem se esforçam, não têm paciência, não são muito colaborativos, têm problemas de comportamento tornando-se agressivos e podem até quebrar as coisas.

Quando nos defrontamos com um distúrbio comportamental (negatividade, quebra de regras), geralmente temos diante de nós uma criança cuja educação não tem limites, e é ela e não seus pais, quem comanda e decide.

Se você não educar ele, quem será?

Teresa Rosillo, psicóloga, disse em uma entrevista que “os pais esqueceram de dizer às crianças que eles, os pais,  são quem mandam”. É bastante comum encontrar casas onde as crianças são as pessoas que tomam decisões e os adultos se adaptam a elas e aos seus caprichos.

Você não deve esquecer que, uma das principais funções como pai, é educar para que seus filhos possam se auto-regular, mas para isso, primeiro deve haver alguém que estabeleça regras do lado de fora: os pais. Isto implica que você tem que ensinar-lhes o que é certo ou errado, aceitar quando lhes é dito para não fazer algo, ser paciente e esperar e, ensinar-lhes o que é frustração e como dominar esse sentimento.

Não, educar uma criança não é fácil, mas, como pai, é você quem deve assumir essa tarefa.

* Nota: As informações e sugestões contidas neste artigo têm caráter meramente informativo. Elas não substituem o aconselhamento e acompanhamentos de médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas.

Texto originalmente publicado no despiertacultura, livremente traduzido e adaptado pela Revista Pensar Contemporâneo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS