O DNA está presente em basicamente todas as células humanas. E está armazenado como um código, formado por 4 bases químicas. Aproximadamente 99,9% dessas bases são as mesmas em todos os humanos. 0,1% restante representa erros ou mutações que ocorrem em sequência quando uma célula se divide e faz uma cópia do seu genoma.

Então, pense nisso como você copiando a receita famosa de biscoitos de gotas de chocolate da sua avó.
Você quer copiar exatamente os mesmos ingredientes para conseguir duplicar os biscoitos deliciosos que ela faz. Porém, durante a cópia, você acidentalmente troca meia colher de chá de sal por meia colher de sopa. Certamente os biscoitos não terão o mesmo sabor.

Isso é o que acontece quando nossas células se dividem e fazem cópias de seu DNA. Elas cometem erros e inserem a base errada em uma sequência de DNA. Essas mutações, ou variações no DNA, tornam você quem você é.

Ao invés de mutações, a epigenética lida com a expressão desses genes. A expressão genética é o processo no qual as instruções em nosso DNA são convertidas em um produto funcionante, como uma proteína, ou os biscoitos que mencionamos. A expressão genética permite que uma célula responda e se adapte ao ambiente mutante.
Saiba mais aqui
Ela age como uma lâmpada, ou um interruptor, para controlar como e quantas proteínas são fabricadas. A epigenética envolve mudanças na atividade genética sem mudar a sequência
química de bases no DNA.

A lâmpada, que representa seus genes, tem a capacidade de produzir luz, porém não sozinha. Ela precisa receber um sinal de um interruptor, que representa seu estilo de vida.

Nesse caso, é um dimmer, pois pode ser controlado para cima ou para baixo, ligado ou desligado. A epigenética não muda o nosso DNA, mas sim regula quais genes são expressados e quando.

E os óleos essenciais, nós sabemos como eles afetam a epigenética?
Estamos no início da pesquisa sobre óleos essenciais e a epigenética. Toda a pesquisa até agora foi realizada fora do corpo humano. Mas fornecem uma ideia dos benefícios que os óleos essenciais podem ter em relação à epigenética, e ajuda a guiar pesquisas futuras em humanos. A boa notícia é que pesquisas pré-clínicas sugerem que o uso regular de óleos essenciais podem influenciar positivamente na epigenética.

Pesquisadores descobriram em laboratório que óleos essenciais podem influenciar positivamente a expressão genética em diversos sistemas do corpo. Incluindo os sistemas circulatório, respiratório, linfático, imunológico, muscoesquelético, reprodutivo, nervoso e tegumentar.

Quem utiliza óleos essenciais por um tempo, entende como eles funcionam para apoiar processos saudáveis no corpo para manter a homeostase. Então isso não é surpresa, mas fornece uma outra visão de como os óleos essenciais podem estar funcionando para manter um estado de bem-estar.

Você pode utilizar o helichrysum pelos seus ótimos benefícios para a pele. E a pesquisa pré-clínica de epigenética mostra que ele influencia positivamente genes em seu sistema tegumentar. Ou seja, pele, cabelos e unhas. Você deve ter nos ouvido falar sobre como óleos cítricos ajudam na função imunológica saudável.

0 óleo de grapefruit mostrou ajudar uma expressão genética saudável no sistem imunológico. Considera-se o óleo de orégano bom para ajudar no funcionamento saudável do sistema respiratório ao ser ingerido. E a pesquisa epigenética preliminar encontrou que, de fato, ajuda positivamente a expressão genética no sistema respiratório.


Saiba mais aqui

Fonte: Gotasdoterra

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS