A primeira temporada do drama hospitalar The Good Doctor, foi a grande sensação das séries televisivas nos Estados Unidos.

Tanto fez, que chamou a atenção da Globo que exibiu dois dos primeiros episódios em horário nobre na Tela Quente, em 27 de agosto. E o feito arrasou! foi a melhor audiência da Tela Quente em mais de seis anos.

Mas essa estréia fez parte de uma estratégia para promover o Globoplay, plataforma de streaming que disponibiliza a série completa.

Listamos 5 motivos porque compensa assistir essa série de sucesso:

Combate ao preconceito

A série apresenta um personagem autista, com dificuldades para se comunicar e se socializar, dentro de um ambiente de trabalho e tentando ser roconhecida pelo seu talento, a série combate o preconceito contra os portadores de síndrome de Savant (pessoas que têm uma rara habilidade intelectual aliada a um déficit de inteligência).

Jornada positiva

Na considerada Nova Era de Ouro da Tv, um tipo de personagem toma cada vez mais os espaços nos seriados, é o anti-herói, aquele que até vira traficante para ajudar a família (Breaking Bad). Outro caso típico que foi sucesso nessa nova era foi Sons of Anarchy onde o personagem principal Jackson Teller e um lider de uma gangue de motociclista, que é assasino e traficante.

Em meio a tantas histórias com viés negativo, cheias de bebidas, farras, traição e violência, The Good Doctor traz personagens que são pessoas realmente boas é o caso do protagonista o autista Shaun Murphy, que teve uma infância conturbada no interior dos Estados Unidos e apenas quer um trabalho em um grande hospital californiano.

Atuação afiada

Para se ter uma ótima série é preciso ter um protagonista de alto nível, e Freddie Highmore é essa pessoa.

A maneira que Shaun interpreta uma pessoa com autismo é praticamente perfeita.  Em texto no site da organização Autism Speaks, o renomado palestrante e escritor Kerry Magro destrinchou os pontos de destaque na atuação de Highmore.

“Freddie faz um excelente trabalho na interpretação de Shaun”, escreveu Magro. “Desde seu comportamento desajeitado com outras pessoas a mexer muito as mãos ao encarar situações estressante. Fugir de um contato com o olho de outra pessoa em uma conversa também é algo que ele faz bem.”

Caldeirão de emoções

O telespectador de The Good Doctor vai entrar em contato com emoções variadas. Há um pouco de tudo: histórias alegres, inspiradoras, tristes… Não há necessidade de sempre ter um lencinho por perto para enxugar as lágrimas, como acontece com quem acompanha This Is Us, mas os momentos de sentimento são vários. Shaun é um personagem comovente e gera compaixão no público.

Trama hospitalar

Dramas hospitalares estão por todo canto na TV (de Chicago Med a The Resident, passando por Grey’s Anatomy). Séries desse tipo são fáceis de acompanhar e têm muito apelo, com a possibilidade de reunir tipos diversos de personagens. Além de apresentar o típico caso da semana, com um paciente por episódio.

Toda a ambientação da trama tem o dedo do criador David Shore, roteirista canadense que também deu vida a House (2004-2012), uma das atrações que se passam em um hospital mais populares da TV.

Realmente The Good Doctor vale a pena cada centavos investido na série, no Globoplay é de R$18,90.

2ª Temporada

A segunda temporada de The Good Doctor estreará nos Estados Unidos em setembro dia 24, às 22 horas, pela ABC. No Brasil ainda não há previsão de chegada da série. Mas partindo do suposto a Globoplay atualizará a temporada apenas quando terminar a primeira temporada, não espere que o segundo ano da série chegue aqui antes de maio.

Com informações:Noticias da TV

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS