Pode parecer uma idéia repugnante, mas os Cientistas descobriram que as mudanças na composição do microbioma digestivo (pequenos organismos que vivem dentro de nós) têm sido associadas à obesidade, já que algumas bactérias parecem estimular o corpo a armazenar mais gordura.

Ao mudar essa composição microbioma, com pílulas  contendo fezes de pessoas magras e saudáveis ​​(e organismos acompanhantes), acredita-se que o corpo estaria menos inclinado a armazenar gordura.

O estudo, já testado em roedores, receberá um teste humano este ano para testar como as cápsulas de fezes liofilizadas podem afetar o peso das pessoas com obesidade.

Você tomaria pílulas de fezes?

Elaine Yu, professora assistente e pesquisadora clínica do Hospital Geral de Massachusetts, está liderando o estudo no qual amostras fecais serão colhidas de doadores saudáveis ​​e magros, liofilizando as fezes, colocando um grama ou dois em cápsulas e dando-lhes 20 pacientes obesos.

Os pacientes receberão seis semanas das pílulas congeladas e terão seu peso e saúde rastreados pelos pesquisadores da investigação em três, seis e 12 meses.

Durante este tempo, os receptores de transplantes também serão solicitados a manter seus hábitos normais de alimentação e saúde, para ver se a obesidade pode realmente ser curada apenas pelas pílulas de fezes.

A medicação com base fecal é atualmente um tratamento para a infecção por Clostridium difficile – na qual o equilíbrio adequado de bactérias no intestino é restaurado, para que ele possa combater infecções – eles acham que os transplantes fecais também podem ser capazes de equilibrar os sistemas digestivos de indivíduos obesos.

  • Siga a Revista Saber Viver Mais no Instagram aqui.
  • Curta a Revista Saber Viver Mais no Facebook aqui.

Texto originalmente publicado no Metro, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS