Existem várias pesquisas que tentam restaurar aos amputados a sensação do tato, por enquanto a maioria é voltada para o toque das mãos.

Porém os pesquisadores liderados pela ETH Zurich agora querem restaurar a parte sensorial de amputados nas pernas especificamente do joelho para baixo. Em um artigo publicado na revista Nature Medicine, a equipe descreve como eles modificaram uma perna protética pronta para uso com sensores e eletrodos para dar aos usuários uma sensação de movimento do joelho e da sola do pé no chão. Embora as experiências iniciais tenham sido com dois usuários, os resultados são promissores.

A pesquisa 

Os pesquisadores trabalharam com dois pacientes com amputações acima do joelho, ou transfemorais. Eles usaram uma perna protética Össur , que vem com um microprocessador e um sensor de ângulo na articulação do joelho, explica o IEEE Spectrum.

A equipe então adicionou uma palmilha com sete sensores ao pé. Esses sensores transmitem sinais em tempo real, via Bluetooth, para um controlador preso ao tornozelo do usuário. Um algoritmo no controlador codifica os sinais neurais e o entrega a um pequeno implante no nervo tibial do paciente, na parte posterior da coxa. O cérebro pode então interpretar esses sinais como do joelho e pé.

A prótese modificada ajudou os usuários a andar mais rápido, sentir-se mais confiantes e consumir menos oxigênio – uma indicação de que era menos árdua do que a prótese tradicional. A equipe também testou a ativação do implante de nervo tibial para aliviar a dor dos membros fantasmas. Ambos os pacientes viram uma redução significativa na dor após alguns minutos de estimulação elétrica, mas tiveram que ser conectados a um dispositivo em um laboratório para receber o tratamento. Com mais testes, os pesquisadores esperam poder levar essas tecnologias a mais amputados e disponibilizá-las fora do laboratório.

Com informações:Engadget

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS